Manuel Mendivil (Arcano): “Os investidores mais sofisticados chegam a investir em alternativos até 40%, face aos 10% de há cinco anos”

alternativos, Manuel Mendivil (Arcano): “Os investidores mais sofisticados chegam a investir em alternativos até 40%, face aos 10% de há cinco anos”
Manuel Mendivil. Créditos: Cedida (Arcano)

Há 20 anos, quando o mundo estava a recuperar da bolha tecnológica, nasceu a Arcano Partners, uma das empresas pioneiras na gestão de ativos alternativos ilíquidos. Hoje gere e aconselha um valor líquido ligeiramente superior a 7.000 milhões de euros e estabelece a meta de atingir os 10.000 milhões de euros em pouco tempo, como explica Manuel Mendivil, managing partner e co-CEO da Arcano Capital, em entrevista à FundsPeople.

Um objetivo mais do que aceitável se tivermos em conta que o contexto deste tipo de ativos é cada vez mais favorável, uma vez que tanto o aumento da inflação como as avaliações ajustadas nos mercados públicos e o início da normalização monetária jogam a favor desse prémio de iliquidez oferecido pelo investimento em ativos privados. “Hoje já não há um clube de fãs tão grande no que diz respeito às ações e as grandes gestoras estimam rentabilidades de 5 a 6% nas ações do mercado desenvolvido, inferiores aos da última década e com maior volatilidade do que na última década”, explica. E esclarece que é precisamente isso que “incentiva o investimento em alternativos que atualmente têm um prémio de iliquidez (remuneração adicional em comparação com investimentos líquidos para compensar a iliquidez) superior ao passado”.

Os alternativos estão a criar um espaço cada vez maior

De facto, este compromisso crescente de incluir ativos ilíquidos nas carteiras está a fazer com que cada vez mais gestoras incluam este tipo de ativos nos seus programas de atividades e mais investidores optem por alocar uma parte da sua carteira a estes investimentos, especialmente institucionais ou profissionais e também, de forma crescente, as bancas privadas. “Os investidores mais sofisticados da Europa agora investem até 40% em alternativos em comparação com os 10% de há cinco anos”, afirma Mendivil. No fim de contas, estamos a falar de um mercado que, com os EUA como referência, evoluiu tanto na sua regulamentação e desenvolvimento que aumentou consideravelmente o número de participantes. “Passou de um nicho para ser democratizado”, confirma o managing-partner da Arcano.

Esta evolução também foi notada no tipo de estratégias que podem ser incluídas no vasto mundo de ativos alternativos ilíquidos. A Arcano concentra a sua estratégia em cinco grandes áreas de negócio que não planeiam expandir: capital de risco, private equity, imobiliário, crédito e infraestruturas sustentáveis. E é nelas que se adaptam às diferentes tendências que o mercado está a promover.

Áreas a focar este ano

Por exemplo, para este ano identificaram principalmente duas. A primeira é a chamada private equity secundária, uma vez que envolve a compra de ações de um fundo de capital quando já está constituído e parcialmente investido e antes de atingir a maturidade, o que dá maior visibilidade ao que está na carteira e encurta a curva J e a vida do fundo. E a segunda é toda a área das infraestruturas sustentáveis, uma vez que são investimentos reais com cobertura contra a inflação, cada vez mais algo valorizado pelo investidor.

Esta adaptação às diferentes tendências que se estão a passar num mercado cada vez mais competitivo não seria possível ser executada sem a grande e crescente equipa que a gestora tem por detrás. “Somos 80 pessoas e todos os anos crescemos cerca de 10%”, afirma Mendivil. Na verdade, acabam de incorporar profissionais como Manuel Gutiérrez-Mellado, que será diretor de Vendas Institucionais da empresa e Rafael Castillo, o novo parceiro para a área da Energia e Infraestruturas, e estão à procura de duas pessoas para expandir a sua equipa de crédito.

Alternativas no mercado da dívida

Não é de estranhar que a área do crédito privado e de high yield de curto prazo, a especialidade dirigida por Mendivil, seja uma das mais bem posicionadas para tirar partido de um contexto de subida das taxas que é geralmente prejudicial ao rendimento fixo mais convencional. “A dívida privada corporativa funciona muito bem no ambiente atual de subidas de taxas e incerteza sobre a rentabilidade absoluta porque as floating bonds proporcionam uma cobertura natural às subidas de taxas.  Por exemplo, o investment grade europeu está com perdas de -7,1% e a yield está nos 1,9% e com maturidades de longo prazo. Isto implica que para recuperar esses -7% precisaria de três anos de yield se os preços não mudassem enquanto na dívida privada as yields estão a 7 e a 9% e sem volatilidade”, explica.

Além disso, incide também no facto de que dentro dos ativos alternativos líquidos, devemos destacar um, os empréstimos sindicados líquidos à taxa de juro flutuante (leveraged loans) que estão a ter um desempenho excecionalmente bom até agora, tanto nos EUA como na Europa (-0,4%) e atraindo muitas entradas de dinheiro. De facto, cita três razões pelas quais este tipo de investimentos são o investimento idóneo de obrigações no ambiente atual: estão protegidos do reajuste das taxas uma vez que são referenciados a uma taxa flutuante e o risco de duração é 0, oferecem retornos relativos e absolutos atrativos (6,3%) face ao high yield (5,5%) e os fundamentais das empresas que acompanham por terem rácios de incumprimento historicamente baixos e níveis de alavancagem geríveis.