Mitos e realidades sobre a crise na China: uma janela de oportunidade

China, Mitos e realidades sobre a crise na China: uma janela de oportunidade
Créditos: Unsplash

Ao longo do ano, a China implementou uma cascata de restrições regulamentares. Entre as notícias mais proeminentes estão a limitação de horas de videojogos online aos jovens e a proibição de educação extracurricular privada. E a isso foram acrescentados os problemas do gigante imobiliário Evergrande para pagar a sua dívida e a recusa do Governo em intervir no seu resgate. Em suma: o que parece ser uma onda de headwinds para a economia asiática. Esta densidade regulamentar foi pintada como uma mudança estratégica na política chinesa. De aberto a restritivo. E os mercados, tanto de obrigações como de ações, reagiram em conformidade. Mas o que é mito e o que é realidade no que está a acontecer na China?

Para Paras Anand, diretor de Investimentos para a Ásia-Pacífico da Fidelity, esta é, na verdade, uma continuação de um processo iniciado pela China em 2017. Ou seja, uma transição para um modelo económico mais sustentável. “As medidas tomadas pela China visam gerir o risco e alavancar, bem como combater as crescentes desigualdades e impulsionar a melhoria ambiental”, afirma.

China, Mitos e realidades sobre a crise na China: uma janela de oportunidade

Se dermos um passo atrás do ruído dos últimos meses, vemos que as decisões do governo chinês giram sobre três pilares, tal como definidas por Anand. Educação, saúde e habitação. Estas são as três frentes que podem criar uma onda de agitação social. E é precisamente isso que a China quer combater. E porquê agora? “Pode parecer que houve uma mudança radical em 2021, mas provavelmente algumas das medidas foram adiadas a partir de 2020. Além disso, este ano começou com um cenário macroeconómico robusto, que também ajudou a criar uma almofada para tomar estas decisões”, explica.

Uma janela de oportunidade na China

O cenário que o mercado considera no preço é muito diferente do descrito por Anand. Tanto que as quedas acentuadas, que levaram até vários ativos a uma correção, abriram uma janela de oportunidade. “O rácio risco-rentabilidade aumentou. Movimentos como este geralmente fornecem pontos de entrada”, afirma Dale Nicholls, gestor da Fidelity. Na sua opinião, grande parte do risco na China já foi avaliado. O gestor, pelo menos, já está a pôr o dinheiro a trabalhar.

E onde? Embora veja avaliações atrativas em geral, destaca-se sobretudo o setor das Tecnologias da Informação. Uma indústria diretamente afetada pelo novo regulamento, mas já demasiado punida. “Se compararmos um negócio como o da Alibaba com a sua congénere americana, a Amazon, vemos um desconto de 70% na cotação. Há riscos, sim, mas tanto?”, questiona o especialista. Nicholls lembra-se do barulho que foi gerado há alguns anos com a tecnológica Tencent. Como agora, a China limitou o acesso dos jovens aos videojogos e as ações da Tencent perderam quase metade do seu valor. Com o tempo, viu-se que era um castigo enorme.

China, Mitos e realidades sobre a crise na China: uma janela de oportunidade

Não é só uma questão de avaliação. Para a Nicholls, as perspetivas do consumidor chinês são muito positivas. Como motores está o fortalecimento da classe média e um claro foco do governo no aumento do acesso ao sistema Hukuo. “Estamos atentos a marcas emergentes que podem capitalizar o consumo na China”, conta.