O escândalo que afeta a Allianz Global Investors nos EUA e chega à sua gama Structured Alpha

Allianz Global Investors, O escândalo que afeta a Allianz Global Investors nos EUA e chega à sua gama Structured Alpha
Créditos: Toomas Tartes (Unsplash)

Uma grande crise de reputação atinge a Allianz Global Investors nos Estados Unidos. Envolve uma estratégia de gestão de opções que a gestora comercializou do outro lado do Atlântico e vendeu a cerca de 114 investidores institucionais: os Structured Alpha Funds. São produtos que procuraram gerar rentabilidades positivas utilizando uma carteira de valores de dívida ou ações como garantia para comprar e vender opções, principalmente no índice S&P 500. No final de 2019, o volume total gerido por estes produtos ascendia a 11.000 milhões de dólares.

Tal como explicado pela Security Exchange Commision (SEC), os Structured Alpha Funds tiveram um bom desempenho até à volatilidade do mercado decorrente da crise COVID-19 em março de 2020. "Nessa altura sofreram perdas catastróficas, ultrapassando mesmo os 90% em alguns fundos. Os investidores perderam milhares de milhões de dólares. Entre eles estavam fundos de pensões para professores, clero, motoristas de autocarros e engenheiros, entre outros grupos, a grande maioria a residir nos Estados Unidos". Não há dinheiro dos investidores ibéricos nestas estratégias.

De acordo com toda a documentação compilada pelo supervisor, entre janeiro de 2016 e março de 2020, na Allianz Global Investors nos Estados Unidos, a equipa de gestão dos Structured Alpha Funds enganou os investidores sobre o downside risk dos fundos. "Houve deturpações e omissões em relação à compra e venda destes valores", refere a SEC.

Fraude

Em primeiro lugar, os materiais de marketing da AGI US induziram em erro os investidores quanto aos níveis em que se estabeleceram as coberturas. Em segundo lugar, a equipa de gestão de carteiras não implementou de forma consistente o programa de mitigação de riscos personalizado acordado com o maior cliente dos fundos. Em terceiro lugar, os gestores manipularam os relatórios e informações fornecidos ou criados para certos investidores numa base ad hoc para esconder a magnitude do downside risk da estratégia.

Além disso, os gestores de carteiras deturparam informação dada aos investidores. Embora lhes tenham dito que os Structureed Alpha tinham um limite de capacidade de 9 mil milhões de dólares para determinados fundos quando, na verdade, esse montante foi ultrapassado em mais de 3 mil milhões de dólares. Após a volatilidade do mercado relacionada com a COVID-19 em março de 2020, a equipa de gestão de carteiras fez inúmeros esforços, em última instância, sem sucesso, para ocultar a sua má conduta.

"Os investidores nos Structured Alpha estavam confiantes de que a AGI US iria gerir os seus ativos de acordo com os seus deveres fiduciários e acreditavam que as informações fornecidas pela entidade eram precisas e completas em todos os aspetos. A equipa de gestão de fundos traiu a confiança deles. Perderam milhares de milhões de dólares", dizem os reguladores.

Os responsáveis diretos

A partir da sua sede na Flórida, a equipa de gestão dos Structured Alpha Funds era liderada por Gregoire P. Tournant, membro do Comité Executivo da AGI SA durante a maior parte do período em que ocorreram os factos. De acordo com a SEC, Tournant desempenhou um papel fundamental em todos os aspetos principais dos fundos, incluindo a fixação dos níveis em que as coberturas foram estabelecidas e o controlo do fluxo de informação para os investidores. Os outros gestores de carteiras eram Trevor L. Taylor e Stephen G. Bond-Nelson.

A Allianz Global Investors nos Estados Unidos gerou 550,3 milhões de dólares em comissões por administrar e gerir os Structured Alpha Funds durante o período da fraude. De acordo com os cálculos da SEC, o resultado líquido dos últimos cinco anos foi de 315,2 milhões. Agora, a AGI US está em processo de compensar os investidores pelas suas perdas e estabelecer políticas e procedimentos destinados a evitar comportamentos semelhantes no futuro. A multa que a gestora pode agora enfrentar é de cerca de 1.000 milhões de dólares. O grupo disponibilizou cerca de 5.000 milhões de euros para cobrir os acordos de compensação para os clientes afetados.

Como consequência do sucedido, a Allianz Global Investors teve que tomar decisões difíceis no que diz respeito ao seu negócio nos Estados Unidos. Neste sentido, a gestora anunciava a transferência de algumas equipas de investimento e uma parte importante dos ativos do seu negócio no país para a Voya Invesment Management em troca de uma participação de até cerca de 24% na gestora norte-americana. Entre as equipas de investimento que transferirá estão as de ações fundamentais e as de estratégias de income & growth e de colocações privadas, que representam no total cerca de 120.000 milhões de dólares de património.

Leia aqui o documento da SEC.