O que está a acontecer na China?

China bison bank asia
Créditos: Annie Spratt (Unsplash)

Após três anos de auto-isolamento, a China anunciou finalmente novas diretrizes que irão reabrir as fronteiras e abandonar a quarentena. A tão criticada abordagem COVID zero, com os seus rigorosos encerramentos e confinamentos, foi subitamente substituída por uma reabertura descontrolada que sobrecarregou por completo o sistema de saúde. 

A mobilidade dentro das cidades recuperou aproximadamente 75% dos níveis anteriores à COVID, enquanto os estrangulamentos da logística diminuíram rapidamente. Por seu lado, o congestionamento do transporte de passageiros no metro de 18 cidades e no trânsito de outras 46 permaneceu abaixo dos níveis anteriores à crise em cerca de 10-15% e 25%, respetivamente. No que diz respeito ao transporte de mercadorias por via-férrea e por estrada e aos principais portos, na última semana verificou-se um forte aumento.

De volta à normalidade

“As viagens nacionais e internacionais também aumentaram nas últimas semanas, uma vez que as pessoas estão a voltar ao seu horário de trabalho habitual. Embora a grande onda COVID pareça estar a estabilizar-se, continua a haver muita incerteza sobre futuras ondas ou novas variantes. No entanto, após o Novo Ano chinês (22 de janeiro), é provável que volte à normalidade na maioria das áreas económicas”, afirma Cosmo Zhang, analista de Obrigações de Mercados Emergentes da Vontobel AM.

A Gemway, gestora especializada em ações emergentes, sublinha que, embora o país lute contra a grande onda de infeções por COVID-19 e o desafio que isso representa para o sistema de saúde, a pandemia irá atingir o seu auge antes do Ano Novo chinês e a confiança das famílias irá voltar gradualmente a partir do segundo trimestre de 2023. “Entretanto, a economia atingiu o seu ponto mais baixo e é provável que beneficie do impulso da reabertura e das políticas de apoio dirigidas às empresas privadas e ao setor imobiliário”.

Evoluçõa dos índices PMI

De momento, os PMI chineses caíram, sobretudo o de serviços, que se situou em 41,6, muito abaixo dos 45 previstos. “No entanto, a vontade de Beijing de reativar a economia é mais importante do que as considerações de saúde, pelo que devemos assistir a um aumento da procura por matérias-primas e um regresso à normalidade da atividade”, prevê a Edmond de Rothschild AM.

Segundo Steve Watson, gestor da Capital Group, do ponto de vista do mercado, continua a haver certos fatores que favorecem ou prejudicam determinados setores: a questão da segurança em áreas tão diversas como a tecnologia, a energia, a alimentação e a defesa recebeu uma ampla cobertura durante a celebração do Congresso. “Por outro lado, é provável que a ênfase no trabalho ideológico e a promoção de um contexto digital saudável faça com que a confiança dos investidores nas empresas de internet continue a ser volátil”.