ODDO BHF Polaris Moderate: Gerar uma rentabilidade superior em rendimento fixo

ODDO BHF Polaris Moderate, ODDO BHF Polaris Moderate: Gerar uma rentabilidade superior em rendimento fixo
Foto: Cedida por Oddo BHF AM

Desde 2005, o ODDO BHF Polaris Moderate oferece uma solução global e amplamente diversificada de gestão de ativos. É caracterizado por uma alocação a ações gerida de forma flexível entre 0% e 40% e um segmento de rendimento fixo que investe principalmente em obrigações com grau de investimento. A carteira pode investir em ações, tanto na Europa como nos Estados Unidos e em mercados emergentes. O objetivo é evitar grandes quedas por conta das oscilações de preços e gerar retorno adicional do investimento em fixed income, considerando critérios ambientais, sociais e de governança (ESG).

Como explica Peter Rieth, gestor deste fundo com o Selo FundsPeople 2021, com a classificação Consistente, a seleção de títulos é a chave para o sucesso do desempenho do produto. “O nosso foco é a qualidade. Para nós, trata-se de empresas com elevado retorno sobre o capital, vantagens competitivas claramente definidas, taxas de crescimento estruturalmente elevadas e uma avaliação razoável. Ao contrário, empresas com alto risco de crédito e baixa rentabilidade devem ser evitadas”, enfatiza.

POSICIONAMENTO ATUAL

Em relação aos mercados de ações, o gestor está um pouco otimista, principalmente em relação aos europeus, que ainda têm potencial de valorização. “O peso da carteira é de 29% (superior ao peso médio de 25%). No ambiente de mercado atual, preferimos ações cíclicas, como a Siemens, que estão bem posicionadas para beneficiar da melhora da economia global. Ações de tecnologia da informação, indústria e saúde dominam o portfólio. ”

Como espera menos volatilidade nos mercados de taxas de juros nas próximas semanas, aumentou em algum grau a duração. Para aproveitar os níveis de yields e spreads mais altos, investiu recentemente em títulos corporativos em dólares. Para diversificar a carteira e ter uma margem de risco nos mercados mais voláteis, a alocação a investimentos relacionados ao ouro foi aumentada.

PRINCIPAIS MUDANÇAS NO PORTFÓLIO NOS ÚLTIMOS TEMPOS

Tendo em vista as múltiplas incertezas, desde o início da crise do COVID-19, a exposição do fundo às ações oscilou entre 20-30%.

“Em março de 2020, reagimos de forma muito eficaz à turbulência do mercado. Tendo reduzido a exposição a ações para cerca de 20% em meados de março com a ajuda de derivados, aumentamos rapidamente para quase 28% para aproveitar a fase de recuperação nascente. Fomos novamente mais cautelosos nas semanas que antecederam as eleições nos Estados Unidos, mas expandimos o lado das ações rapidamente após a vitória segura de Biden e as boas notícias sobre vacinas que melhoraram as perspetivas para as ações”, revela.

VISÃO DE MERCADO

Segundo o gestor, as avaliações, principalmente nos EUA, são historicamente altas. “A experiência mostra que o risco de quedas aumenta nesses níveis. Portanto, mais do que nunca, é importante focar na qualidade. As ações dos EUA são significativamente mais caras do que as suas contrapartes nos países europeus. A reativação da economia favorecerá as ações cíclicas, muito presentes nos índices de ações europeus. Portanto, atualmente preferimos a Europa aos Estados Unidos”.

Nos mercados emergentes, concentram-se em algumas empresas asiáticas de qualidade. “Empresas europeias de qualidade com muitos negócios nesta região também podem beneficiar das grandes oportunidades de crescimento na Ásia. Mesmo que o medo imediato da inflação tenha passado, o problema não irá embora nos próximos meses. Por isso, somos muito cautelosos com títulos e preferimos prazos mais curtos”, finaliza.