Chart of the Week - As yields das obrigações governamentais e a dívida norte-americana

guilherme neves invest gestao de activos
Guilherme Neves. Créditos: Vítor Duarte

O Chart of the Week é da autoria de Guilherme Neves, gestor de carteiras na Invest Gestão de Activos.

A subida de taxas de juro por parte da Fed, que se traduziu num aumento das yields das obrigações governamentais (Figura 1), consubstanciou uma mudança de paradigma nos mercados financeiros, com os capitais alheios a terem um custo material pela primeira vez em quinze anos.

Este facto levou a que muitos modelos de negócio que pressupunham uma alavancagem agressiva com funding em condições favoráveis tivessem sido castigados em bolsa durante o ano de 2023, tendo os mercados acionistas premiado empresas que eram capazes de gerar crescimento sem necessitar de financiamento por parte de capitais alheios.

Uma questão que se coloca para os próximos anos tem a ver com a capacidade de refinanciar esta dívida corporativa em condições comportáveis para os emitentes da mesma (Figura 2). O mesmo cenário persiste a nível governamental com a dívida norte-americana em patamares historicamente elevados (Figura 3). A resposta advirá em parte dos dados de inflação futura, assim como da postura da Fed nas próximas reuniões, na certeza, porém, de que os investidores, de acordo com o Bank of America (BofA), têm uma visão favorável para obrigações pela primeira vez desde 2009 (Figura 4), como consequência da perspetiva de se obterem retornos reais positivos nesta classe de ativos, pela primeira vez em 15 anos. O que para já fica por esclarecer é o impacto destas taxas de juro no crescimento económico, com yields mais altas a implicarem menos investimento corporativo e mais impostos ou menos despesa pública…

Figura 1

Figura 2

Figura 3 – Dívida Pública EUA (% PIB)

Fonte: Bloomberg

Figura 4