Investimento passivo vs. investimento ativo: pensar o investimento ESG de forma sistémica

ESG Fundos de Investimento Gestão de Ativos
Créditos: Cedida

TRIBUNA de Nuno Brito e Cunha, responsável de Serviços de Aconselhamento ESG EMEA da Measurabl.

Todos nós somos um produto do nosso ambiente e do nosso enquadramento de referência. Nas minhas funções, recorro a muitos dados do setor do imobiliário que os nossos clientes recolhem através das nossas plataformas, o que permite oferecer planos de ação estratégicos informados. Confio fortemente na exatidão e exaustividade desses dados ESG. Quando um cliente vem ter comigo para o ajudar na sua estratégia de descarbonização da sua carteira de ativos, os dados que o nosso software lhes permite recolher têm de ser exatos, porque a descarbonização dos investimentos tem de refletir a descarbonização da economia real que prometeram aos seus investidores e partes interessadas. 

O setor imobiliário como classe de ativos tem vindo a desenvolver a exatidão destes dados desde o início dos anos 90, quando as certificações de desempenho de construção chegaram ao mercado, pelo que tem havido muito tempo para melhorar a sua recolha, o processamento e o estabelecimento de metas para tornar os proprietários de ativos e os investidores confortáveis para construir estratégias de investimento sustentáveis.  

Se mudarmos de engrenagem e olharmos para outras classes de ativos como ações e dívida, os dados dos ratings ESG também estão a desempenhar um papel cada vez mais importante, mas dado que as próprias classificações ESG são construídas com base em dados que existem há menos tempo do que, digamos, os dados ESG no imobiliário, podemos confiar neles para investir de forma sustentável?  

Os investidores que dependem unicamente dos ratings ESG tendem a seguir uma abordagem de investimento passivo, onde investem em fundos que seguem índices de empresas que cumprem determinados critérios ESG. Oferece uma forma de os investidores ganharem exposição a investimentos sustentáveis a um custo mais baixo e com menos esforço do que fundos sustentáveis geridos ativamente. Mas serão estas classificações ESG suficientemente estandardizadas ou fiáveis para serem utilizadas como a única base para as decisões de investimento? 

Díficil de ignorar

O crescimento dos fundos passivos ESG é difícil de ignorar. No ano passado, os ETF alinhados com resultados ESG representaram 65% de todas as entradas líquidas em ETF europeus de acordo com a Morningstar. Mas só porque o rebanho se move dessa forma, não significa que seja a melhor escolha para investir de forma sustentável. O principal desafio que está a surgir é que os fornecedores terceiros de ratings ESG nem sempre estão em concordância sobre o que é e não é material, o que cria disparidades nos dados. 

A Autoridade de Conduta Financeira (FCA) revelou recentemente, na sequência de uma revisão dos parâmetros de referência ESG, que a qualidade global das divulgações relacionadas com ESG era fraca, sublinhando questões:

  • Não há detalhes suficientes sobre os fatores ESG considerados nas metodologias de referência.
  • Não asseguram que as metodologias subjacentes aos dados ESG e os ratings utilizados nos benchmarks sejam acessíveis, claramente apresentados e explicados aos utilizadores.
  • Não implementam plenamente os requisitos de divulgação ESG.
  • Administradores de benchmarks não implementam corretamente as suas metodologias de referência ESG - por exemplo, utilizando dados e classificações desatualizados ou não aplicando os critérios de exclusão ESG.

Acrescentaria ainda que para investir de forma sustentável é necessário um processo de investimento que tenha em conta a complexidade de investir com um resultado sustentável, uma vez que a sustentabilidade é, por natureza, complexa. 

É aqui que volto ao investimento imobiliário para obter orientação, porque ao longo do tempo teve de reconhecer os muitos intervenientes que fazem parte da sua cadeia de valor, compreendendo que para investir de forma sustentável, os gestores de fundos precisam de compreender a complexidade e adotar uma abordagem de pensamento sistémico. Fazê-lo permite-lhes compreender melhor os impactos materiais no desempenho de um edifício, tanto ambiental como socialmente. Melhorar a eficiência energética de um edifício é uma das formas de mitigar as alterações climáticas porque reduz o consumo de energia do edifício e, assim, reduz as emissões de carbono emitidas por esse edifício, o que é classificado como uma atividade de transição sustentável pela Taxonomia da UE. 

Due dilligence

Os ratings ESG não são uma ciência exata e continuam a ser uma indústria nascente, pelo que os fundos de investimento sustentáveis só devem utilizar os ratings ESG para fins de triagem porque reduzir o perfil ESG de uma empresa a apenas um valor ou um rating é excessivamente limitativo. Os fundos de investimento sustentável ou ESG devem então aplicar rigorosamente um processo de due diligence ESG construído internamente, que analise: 

  • Medir o que é material
  • Políticas ESG com substância, ou seja, apoiadas por dados
  • Resiliência climática 
  • Utilizar a verificação dos seus objetivos de sustentabilidade por parte de terceiros