Os fundos de private equity acumulam um recorde de 3,7 biliões de dry powder

dinheiro_euro
Créditos: Ibrahim Rifath (Unsplash)

A consultora Bain & Company publicou a última edição do seu Private Equity Midyear Report, um estudo que analisa a evolução do mercado de private equity a nível mundial. A empresa afirma que, após um ano de relativa estagnação no setor, os investidores (limited partners) têm incentivos para retomar a sua atividade. O setor apresenta um recorde de 3,7 biliões de dólares de dry powder (quantidade de capital comprometido, mas não alocado).

O relatório da consultora assinala que os receios sobre o “excesso de dry powder” não são justificados, uma vez que os volumes se mantêm estáveis em 3,7 biliões de dólares em todas as estratégias de classes de ativos privados e cerca de 75% destes ativos têm menos de três anos de antiguidade. Embora existam dificuldades para fechar operações - sobretudo as de grande dimensão -, o private equity está a intervir face à restrição dos empréstimos dos bancos comerciais. 

Preferência pela liquidez

Segundo a Bain & Company, a maioria dos investidores atualmente opta por contar com liquidez, em vez de esperar por ganhos incrementais. Isto indica que o principal objetivo do setor nos próximos meses será a reativação do fluxo de capital através do aumento das distribuições aos investidores, quer mediante desinvestimentos, operações secundárias realizadas pelas gestoras de private equity, recapitalizações ou outras soluções.

Por outro lado, os fundos buyout acumulam um stock recorde de 2,8 biliões de dólares de ativos sem desinvestir, mais de quatro vezes o valor registado durante a crise financeira global. Embora os investimentos tenham diminuído, as saídas diminuíram ainda mais na primeira metade do ano, com uma queda prevista de 30% no número de desinvestimentos em relação a 2022. Para os investidores com falta de liquidez, as distribuições DPI (distributed to paid-in capital) estão a tornar-se a nova taxa interna de rentabilidade.  

“Cruzar os braços porque o mercado está em crise nunca foi uma estratégia especialmente eficaz no setor de private equity. Os ciclos anteriores demonstraram que os compradores e vendedores precisam de um contexto económico estável - mas não necessariamente atrativo - para que as operações recuperem e avancem. Por fim, vislumbra-se um panorama mais claro e esperamos que o mercado mundial de private equity estabilize”, afirma Hugh MacArthur, presidente de Private Equity Practice na Bain & Company. 

Investimentos

Os fundos buyout com capital levantado em todo o mundo alcançaram os 202.000 milhões de dólares em valor de operações no primeiro semestre de 2023, 58% menos do que no primeiro semestre de 2022. Isto representa uma redução de 41% do valor anualizado em comparação com o total de 2022. As 863 operações fechadas no primeiro semestre do ano refletem uma redução de 29% no conjunto do ano em comparação com 2022. As operações complementares continuaram a representar uma parte significativa do mercado mundial de buyouts, com 9% do valor total das operações e 56% do número de operações no primeiro semestre do ano.  

Desinvestimentos

As gestoras de private equity estão a experienciar uma pressão muito maior para desinvestir. Os gestores de buyouts acumularam ativos para vender, abrandando assim as distribuições aos investidores. No primeiro semestre do ano, os buyouts apoiados por desinvestimentos diminuíram 65% em relação ao período homólogo, alcançando os 131.000 milhões de dólares. O valor anualizado das saídas desceu 54% e o número destas desceu 30% em relação a 2022.   

Com cerca de 26.000 empresas em carteiras de fundos buyout durante quase seis anos, as gestoras precisam de uma estratégia para desbloquear os 2,8 biliões de dólares pendentes de liquidez destas empresas. A maioria destes ativos aproximam-se ou superaram o prazo habitual de cinco anos para sair de um fundo de private equity. Quase uma quarta parte está em carteira há mais de seis anos, enquanto mais de metade está na carteira há mais de quatro anos.  

Fund-raising

Após uma década de crescimento na captação de fundos de private equity - com quase 12 biliões de dólares recolhidos desde 2012 - o fund-raising tem sido um desafio em 2023, tal como era de esperar. Os investidores mantêm um elevado volume de transações não financiadas e um fluxo de caixa negativo devido a um forte declínio nos desinvestimentos e um notável desequilíbrio entre a oferta e a procura (com quase 14.000 fundos a competir por um total de 3,3 biliões de dólares em capital). O setor arrecadou 517.000 milhões de dólares durante os primeiros seis meses do ano, 35% menos do que no mesmo período do ano anterior.