Os olhos do mundo estão focados na China no Ano do Tigre

China, Os olhos do mundo estão focados na China no Ano do Tigre
Créditos: Raimond Klavins (Unsplash)

As celebrações do Ano Novo começam hoje na China, que marca a entrada no ano do Tigre, considerado um símbolo de coragem, segurança e determinação. Todas as qualidades que servirão o gigante asiático para recuperar a confiança dos investidores, depois de um 2021 que terminou  com muitas questões sobre a sua estabilidade económica.  No quarto trimestre, o crescimento abrandou para 4%, abaixo dos 4,9% do terceiro trimestre. Os dados foram ponderados pela  contínua queda das exportações e pela desaceleração do consumo devido aos novos bloqueios como resultado da estratégia COVID-zero do governo. “Enquanto as políticas de máxima cautela para limitar as infeções permanecerem em vigor, a recuperação do consumo doméstico parece estar em risco neste trimestre”, nota Gero Jung, economista-chefe da Mirabaud AM. E, nestes dias, o alerta para o vírus está nos níveis mais altos devido aos Jogos Olímpicos de inverno que se realizam até 20 de fevereiro e que vão levar a um aumento das viagens internacionais ao país. “Esperamos que o crescimento enfraqueça ainda mais e que venham a surgir medidas mais fáceis no primeiro trimestre, até abril”, prevê Carol Liao, economista da China da PIMCO.

Fraqueza no setor imobiliário

Outra grande preocupação vem do setor imobiliário que luta para recuperar do choque causado pela crise da Evergrande do ano passado. Segundo David Rees, economista sénior dos mercados emergentes na Schroders, os problemas imobiliários na China continuarão a penalizar a economia: “Apesar de um abrandamento marginal, a política do governo para o setor permanece rígida", diz Rees. "Além disso, as novas vendas de casas, que geralmente precedem a atividade de construção em seis a nove meses, ainda não estabilizaram”. “Vai demorar mais tempo para o sentimento do mercado imobiliário normalizar", concorda Carol Liao.

Pequim pronto para intervir

Nesta fase de luzes e sombras, os analistas perguntam-se quais serão os movimentos das autoridades governamentais. Principalmente porque em outubro haverá um evento muito importante do ponto de vista simbólico: o vigésimo Congresso do Partido Comunista Chinês.  “O mundo”, como observou o Presidente Xi Jinping, “está de olho na China”.  E isto significa um escrutínio cuidadoso das suas aspirações financeiras, ambientais e económicas. “É concebível que Pequim ponha em prática medidas de estímulo orçamental extensivas, acompanhadas por uma política monetária solidária”, diz Zhennan Li, economista-chefe para a China na AllianceBernstein. “Esperamos uma aceleração rápida do ritmo do investimento público já no início do ano”, diz o economista da AllianceBernstein, que acrescenta: “O governo central atribuiu 1.460 mil milhões de yuan (229,2 mil milhões de dólares) da parte da emissão de obrigações especiais pelas autoridades locais previstas para 2022 – uma importante fonte de financiamento para o investimento público – aos governos provinciais para estimular a despesa em projetos de infraestruturas ambiciosos”, ilustra. E a política orçamental expansionista, de acordo com o especialista da Alliancebernstein, exigirá uma política monetária adequada de apoio do Banco Popular da China: “Esperamos que mantenha as taxas de política inalteradas em níveis moderadamente baixos para o resto do ano para ancorar os custos dos empréstimos na economia real”, conclui. Raphaël Gallardo, economista-chefe da Carmignac, também concorda: “Depois de um primeiro impulso ao investimento em infraestruturas e aos cortes nas taxas de juro desde dezembro, esperamos mais uma ronda de estímulos orçamentais e de abrandamento monetário após o Congresso Nacional Popular, em março”, diz.   

Oportunidades em empresas locais

Outra fonte de risco provém da própria ação dos reguladores. Receia-se que possam ser decididos novos regulamentos rigorosos, como os que penalizaram os setores da tecnologia e da educação no ano passado. “As represálias regulamentares sobre tecnologia, educação e outras indústrias testaram os nervos até dos investidores mais leais nos últimos 12 meses”, disse Charlie Dutton, gestor de carteiras do Asia Pacific Franchise da Ninety One. Mas  à medida que o ruído regulamentar de curto prazo se desvanece, os motores a longo prazo do crescimento estrutural estão de volta ao fogo.  “Estas tendências – incluindo o aumento da riqueza e a expansão da classe média, a digitalização e o impulso da China para a autossuficiência em alguns setores tecnológicos – permanecem intactas e, portanto, continuam a ser favoráveis a certas empresas chinesas”, disse.  “Acreditamos que os players e investidores do setor identificaram os objetivos estratégicos do governo e estão a adaptar-se aos novos quadros regulamentares”, acrescenta Michael Lai, gestor de portefólios da Franklin Templeton Emerging Markets.  Wenchang Ma, cogestor de portefólios de All China Equity da Ninety One, vê empresas domésticas bem posicionadas para o ano em curso: “Algumas empresas chinesas que servem principalmente o mercado nacional têm o potencial de ter um desempenho relativamente bom este ano”, diz. “A vontade dos decisores políticos chineses de dar mais apoio à economia deve ser um bónus para as ações do país”, disse.

A luz no fim do túnel

A boa notícia para Schroders é que, apesar das recentes debilidades, os principais indicadores económicos parecem estar prontos a retomar depois de se desvalorizarem: “O impulso de crédito, que mede o crescimento do empréstimo em percentagem do PIB, e o verdadeiro M1, que representa o valor dos componentes mais líquidos da oferta monetária, como a moeda em circulação e os depósitos overnight, ambos aumentaram em dezembro”, aponta David Rees. “Estes indicadores têm impulsionado historicamente a atividade há cerca de nove meses, sugerindo que uma melhoria cíclica da atividade económica começará a surgir no final do verão do Hemisfério Norte”, diz.  “Como resultado, esperamos uma ligeira recuperação do crescimento do PIB, de cerca de 4,7% este ano para 5% em 2023”, conclui.  Ainda mais otimistas são as estimativas da AllianceBernstein: “A nossa previsão prevê um crescimento de 5,3% com uma inflação global ligeiramente superior, mas ainda moderada”, referem na gestora. Nos últimos anos, Pequim demonstrou a capacidade de orquestrar um crescimento mais rápido ou mais lento, de acordo com os desejos dos decisores políticos, e hoje as autoridades não têm razões para querer um crescimento abaixo do nível potencial”, argumentam.  Finalmente, com uma   perspetiva de longo prazo, Mary-Therese Barton, responsável da Dívida de Mercados Emergentes na Pictet Asset Management, recorda que, apesar do abrandamento, a economia chinesa é cada vez mais importante a nível global: “O país é um dos maiores consumidores de matérias-primas e um enorme produtor industrial. A sua grande população vai levá-la a tornar-se a maior economia do mundo nas próximas décadas”, conclui.