Tecnologia e energia limpa: o que está por trás da correção nos dois setores que mais brilharam no passado

energia limpa, Tecnologia e energia limpa: o que está por trás da correção nos dois setores que mais brilharam no passado
Ramon Esteruelas. Créditos: Cedida (BNP Paribas)

Os dois grandes vencedores da pandemia estão agora no epicentro da correção no mercado. O setor tecnológico acelerou décadas de crescimento numa questão de meses graças à digitalização forçada de grande parte da economia. Agora vemos como vários dos grandes nomes do setor apresentam resultados dececionantes, com alguns dos titãs a perderem 20% do seu valor numa questão sessão. Na mesma linha, o tema da energia limpa estava posicionado para capturar a enorme quantidade de dinheiro que ia ser alocado à transição energética. Ainda assim, 2021 foi um ano para apostar na energia tradicional, no petróleo bruto.

Passaram de serem os setores preferidos há apenas um ano para sofrer quedas de dois dígitos nos mercados bolsistas. O que está a acontecer? Foi precisamente isso que perguntámos a Ramón Esteruelas, especialista sénior de investimento de Disruptive Technology e Energy Transition da BNP Paribas AM.

O que está a acontecer no setor tecnológico

Vamos começar com o setor tecnológico. Na última década, a tecnologia foi o motor dos mercados. Em índices como o S&P 500, o seu crescimento de lucros, durante muitos anos a níveis de dois dígitos, foi responsável pela maior parte das subidas anuais. Agora, os 22% que o setor pesa no índice dos EUA tornaram-se um volume significativo. E talvez precisamente pela sua posição dominante na composição seja difícil ver um facto que Esteruelas destaca. Dos 60% das empresas do S&P 500 que já apresentaram os seus resultados de 2021, de acordo com os dados recolhidos pelo WSJ, a previsão de crescimento dos lucros é de 30%.

Mas agora o cenário macroeconómico mudou. Depois de anos de inflação dormente, estamos agora a ver dados históricos do IPC. A previsão do mercado estima uma subida das taxas de juro. E isto afeta diretamente os setores com maior exposição à duration. Isto é, o tecnológico. Como explica, o desenvolvimento de uma tecnologia requer prazos longos e é muitas vezes difícil de valorizar financeiramente, uma vez que pode sofrer perdas durante anos.

Recalibrar o preço

“A história não mudou. 50% da tecnologia necessária para atingir os objetivos climáticos de 2030 ainda não foi inventada”, afirma Esteruelas. Na sua opinião, o tema da disrupção tecnológica continua a ser válido. Quando vemos uma famosa cadeia de hambúrgueres a investir em inteligência artificial para personalizar o seu atendimento ao cliente, quando vemos os milhares de microchips que um carro transporta... “A tecnologia é omnipresente”, diz o especialista.

O que mudou, e isto explica as quedas, é o preço que os investidores atribuem ao seu risco. “É uma recalibração das expetativas”, explica Esteruelas. “Estamos a assistir a um divórcio entre o crescimento potencial de um negócio e o preço que se está disposto a pagar por isso”.

E é um argumento que pode ser perfeitamente aplicado à questão da energia limpa. “O universo das empresas que oferecem soluções para combater a crise climática tendem a ser empresas incipientes, por vezes a caminho de se tornarem rentáveis, e muitas vezes, sendo projetos inovadores, têm por trás uma tecnologia difícil de valorizar”, diz Esteruelas. Mas na sua opinião, a tese ainda é válida. “São apostas a longo prazo”, insiste.

Na verdade, não ficaria surpreendido se a correção atual fosse um ponto de entrada interessante para o investidor. Sendo seletivo, claro. Por exemplo, na estratégia BNP Paribas Energy Transition procuram tecnologia difícil de replicar e com uma posição dominante. “Acima de tudo, estamos à procura de propostas que ofereçam uma solução real para o problema climático”, defende Esteruelas. E a sua receita secreta: em vez de valorizar a própria tecnologia, os gestores consideram qual é o universo potencial que pode servir. O total addressable market, tal como definido em inglês.