Temos de falar sobre o setor energético

energia, Temos de falar sobre o setor energético
Créditos: Zbynek Burival (Unsplash)

O investimento sustentável seria o golpe mortal do setor energético tradicional. A transição para uma economia verde condenaria os gigantes históricos do petróleo tradicional à obsolescência. E quando o mercado estava mais convencido desta narrativa, ou seja, quando os fluxos apostavam no tema da energia limpa, os ventos mudaram. 2021 foi um exercício estelar para a energia.  

O setor energético gerou o melhor retorno nos EUA, Europa e globalmente, de acordo com cálculos da SPDR ETF (parte da State Street Global Advisors). Os resultados empresariais e os cash flows reagiram fortemente à recuperação dos preços do petróleo bruto.  Uma recuperação que as empresas de petróleo e gás acompanharam.  

Os investidores começaram a responder, também como parte de um posicionamento mais value e como cobertura contra a inflação. Assim, já é detetada uma pequena recuperação nos fluxos, mas essas compras provêm de níveis muito elevados de subponderação. Por isso, na SPDR, defendem que ainda há muito caminho a percorrer.  De facto, continua a ser um dos destaques do SPDR Sector Pick desenvolvida pela equipa de Rebecca Chesworth, estratega sénior de ETF de ações.

ESG precisa do setor energético

Chesworth compreende perfeitamente o movimento que temos visto nas últimas semanas. Uma mudança de sentimento. “O setor energético foi excluído devido ao boom do ESG, mas alguns investidores perceberam que, na realidade, os grandes operadores de petróleo e gás podem ser um aliado nesta transição”, explica. Além disso, estas empresas históricas têm agora um cash flow significativo graças aos aumentos de preços que podem ser colocados a trabalhar em energias mais limpas. “Embora seja compreensível que a consideração das emissões de carbono dos combustíveis fósseis continue a excluir alguns investidores, o entendimento de que estas empresas têm as competências e o cash flow necessários para ajudar a decretar planos de transição climática é transformador”, argumentam na SPDR.

E este momentum positivo não mostra sinais de abrandamento. De acordo com Elliot Hentov, responsável de Análise Política da State Street Global Advisors, os preços do petróleo bruto vão continuar elevados. Veem os preços do crude manterem-se fortes nos próximos meses em resposta à oferta ainda ajustada, às baixas reservas e à crescente procura global. “Podem atingir o pico neste primeiro trimestre e aliviar ligeiramente, mas considero improvável que alguma vez caiam abaixo dos 50 dólares por barril”, prevê.

Além disso, os ganhos mais elevados estão a refletir-se em grandes aumentos de dividendos (em alguns casos, de volta aos níveis pré-pandemia) e nas recompras de ações. A isto acrescente-se que o setor da energia é uma proposta convincente do ponto de vista de um compromisso com os cíclicos e cobertura contra a inflação. Portanto, o setor energético é uma das apostas destacadas pela SPDR.