A alocação das gestoras de fundos de pensões a fundos de terceiros

fundos de pensões, A alocação das gestoras de fundos de pensões a fundos de terceiros
Créditos: Gareth Harper (Unsplash)

A Associação Portuguesa de Fundos de Investimento, Pensões e Patrimónios (APFIPP) divulgou recentemente os dados relativos ao mercado de fundos de pensões no ano de 2021. O exercício que terminou revelou-se positivo para a generalidade dos fundos de pensões nacionais, com rentabilidades positivas em praticamente todos os produtos e níveis de risco. Além disso, a APFIPP deu conta de um crescimento de 5,8% - para 23 864 milhões de euros – dos volumes sob gestão nos fundos de pensões entre as suas associadas o que as configura como um agregado investidor muito relevante no panorama da gestão de ativos nacional.

No que se refere à alocação destas carteiras, em dezembro passado, segundo os dados da entidade, os fundos de investimento apresentavam uma ponderação de 35,3% no total de montante investido - o que representa mais 2,3 pontos percentuais face a março de 2020, a última vez em que analisámos estes números. Mas ao nível das gestoras de pensões, quais as que mais alocam património a este tipo de veículo de investimento?

Em termos percentuais, a Victoria Seguros é a casa gestora de fundos de pensões que mais investe em fundos de investimento de terceiros. No gráfico abaixo, onde está patente a percentagem investida em fundos de terceiros por classe de ativos, é bem visível a percentagem que a casa aloca a fundos de obrigações. Mais concretamente, cerca de 60,9% da carteira da entidade está em fundos de obrigações de terceiros, sendo que 23,3% está alocado a fundos de ações.

Em termos de percentagem de investimento segue-se a entidade SGF, com cerca de 66% da carteira agregada alocada a fundos de terceiros. Reparamos pelo gráfico que a alocação por parte desta entidade está relativamente mais diversificada comparativamente com a entidade anteriormente mencionada. Isto é, os fundos de obrigações e fundos de ações têm relativamente o mesmo peso, cerca de 31%. De sublinhar também que esta é a sociedade gestora de fundos de pensões que maior percentagem da carteira tem investida em fundos de ações.

A terceira gestora de fundos de pensões que mais investe em fundos de terceiros é a Santander Pensões. No que toca à percentagem de alocação investida nesta casa, o investimento direto e outros, tais como obrigações de taxa fixa ou variável, predominam com uma preponderância de 53%. Contudo, os fundos de ações pesam 22,4% do património total da entidade, os fundos imobiliários 10,8% e os fundos de obrigações 9,4%. Além disso, deste universo, é a casa com maior percentagem alocada a fundos imobiliários.

Comparativamente a março de 2020, o lugar destas duas primeiras entidades mencionadas não se alterou, no entanto, verificamos que a Santander Pensões aumentou significativamente o investimento através de fundos de terceiros. Além disso, tendo esse mês de referência, é de sublinhar que todas estas entidades aumentaram a ponderação que os fundos de terceiros têm nas carteiras. Neste ponto, a variação mais relevante foi por parte da BBVA Fundos.

Percentagem investida em fundos de terceiros em 2021

fundos de pensões, A alocação das gestoras de fundos de pensões a fundos de terceiros
Fonte: APFIPP, dezembro de 2021.

De notar que as gestoras de fundos de pensões do Banco de Portugal e Previsão não constam no gráfico porque estas duas sociedades gestoras não são associadas da APFIPP e não apresentam dados nos relatórios fornecidos pela associação. No entanto, é possível notar que, no caso da primeira entidade, com referência a 2020, a dívida pública era o ativo que mais pesava na carteira, sendo que os fundos de investimento de dívida privada pesavam 13,5% e os fundos de ações 2,5%. Já a segunda entidade, afirmava no seu relatório e contas de 2020 que umas das suas políticas orientadoras era o “outsourcing da gestão dos ativos, por recurso à participação em veículos de investimento de gestores de primeira linha, em regime de gestão ativa ou passiva, numa perspetiva especializada por classe de ativo e zona geográfica”.

Composição do total das carteiras geridas pelas gestoras de fundos de pensões

GestoraFundos imob.Fundos açõesFundos obrigaçõesFundos tesourariaOutros fundosPonderação fundos na carteiraInvestimento direto e outrosTotal carteira (€)
Ageas Pensões4.8%22.3%21.7%0%2.6%51.4%48.6%6.657
BBVA Fundos0%26.4%21.2%0%0%47.6%52.4%597
BPI Vida e Pensões1.2%19.8%9.9%0%0.2%31.1%68.9%3.389
CA Vida0.7%8.2%1.3%0%2.4%12.6%87.4%248
CGD Pensões4.8%15.7%3.3%3%1.8%28.6%71.4%4.554
GNB - SGFP3.6%9.7%11.3%0.2%1.3%26.1%73.9%2.633
Futuro3.3%17.1%22.4%0.4%1.1%44.3%55.7%1.943
Real Vida Seguros4.2%6.7%21.2%0%3.7%35.8%64.2%237
Santander Pensões10.8%22.4%9.4%0%4.4%47%53%1.165
SGF2.8%31.1%32.1%0%0%66%34%110
Victoria Seguros0%23.3%60.9%0%0%84.2%15.8%16
Total4.1%18.3%13.9%0.7%1.8%35.3%64.7%23.864
Fonte: APFIPP, dezembro de 2021. Dados de carteira em milhões de euros.