Apenas 3% dos CEO da indústria de gestão de ativos são mulheres

mulher mulheres
Créditos: Dane Deaner (Unsplash)

A diversidade de género tornou-se uma das questões sobre as quais as empresas estão mais concentradas a fim de cumprirem com o S (social) da ESG. E entre essas empresas estão as próprias gestoras de ativos. “Os investidores começam a investir a pensar no G e depois no E, mas a pandemia fez com que muitos investidores começassem a prestar atenção ao S”, disse Fiona Reyolds, CEO do PRI (Principal Responsible Investments) da ONU num encontro recente.

Na consultora Heidrick&Struggles, prepararam um relatório intitulado Harnessing the impact of female talent in asset management, no qual analisam o momento em que as gestoras partem para alcançar uma maior inclusão das mulheres na indústria. Para isso seguiram a classificação das 500 maiores gestoras de ativos de acordo com a Willis Towers Watson.

A primeira conclusão é que apenas 20% das equipas executivas e membros do conselho de administração são mulheres. Além disso, destacam que metade das empresas têm 20% ou menos de representação feminina na sua gestão e um quarto carece de mulheres no conselho de administração ou nas equipas executivas. E não preveem que a situação melhore a curto prazo devido à pandemia de COVID-19. “O impacto da pandemia de COVID-19 foi geralmente mais severo nas mulheres trabalhadoras do que nos homens, a percentagem de mulheres nos conselhos de administração é muito baixa e podemos esperar, no melhor dos casos, que o progresso continue estagnado”, garantem.

É nos EUA onde há mais diversidade de género

No entanto, existem grandes diferenças entre as regiões. Quase metade das mulheres líderes estão nos Estados Unidos, mais de um terço na Europa e 8% na Ásia-Pacífico.

Fonte: Heidrick&Struggles

O estudo também analisa os diferentes papéis que desempenham essas mulheres que chegam a cargos de topo. Assim, apenas 3% das mulheres líderes são CEO, número muito inferior aos 4,9% das mulheres CEO das empresas incluídas no MSCI World, segundo o último relatório publicado sobre o assunto pelo MSCI.

Poucas CEO, mais diretoras

Assim sendo, que funções de gestão desempenham? A principal, dizem no estudo, são cargos no conselho de administração, seguido de chefes de divisão ou região, direções gerais e os cargos de gestão de pessoal e RH e de operações e marketing.

Quanto às mulheres que conseguiram partir o teto de vidro, há outra informação significativa. E é que a maioria não conseguiu isso ao subir de cargos nas suas próprias empresas. De facto, 58% das mulheres líderes foram contratadas noutras empresas, em comparação a 42% que foram contratadas internamente.