As dez gestoras que melhor comunicam os seus compromissos de sustentabilidade com a sua própria marca

Responsible Investment Brand Index 2021, As dez gestoras que melhor comunicam os seus compromissos de sustentabilidade com a sua própria marca
Créditos: Daniel Lepik (Unsplash)

Um logotipo e website atrativos não são o suficiente para comunicar um compromisso com a sustentabilidade através de uma marca. Trata-se de uma regra de marketing 101 que se aplica a todos os tipos de empresas, incluindo empresas de gestão de ativos. Também não é crucial ser um grande nome para os ativos serem creditados entre as empresas que melhor expressam através da sua marca os seus esforços para incorporar o ESG. Estas são algumas das considerações que surgiram à margem do lançamento do Responsible Investment Brand Index (RIBI) 2021 criado pela consultora Hirschel & Kramer, que está agora na sua quarta edição e foi apresentado durante o Fórum de Fundos de Munique.

O índice desenvolvido pela H&K avalia o setor de gestão de ativos pela capacidade de traduzir o seu compromisso com o desenvolvimento sustentável através da marca principal de cada gestora de ativos. Mais de 500 empresas de todo o mundo foram consideradas numa avaliação que tem em conta duas dimensões fundamentais: compromisso, ou seja, o que uma gestora de ativos faz em termos de investimento responsável, e de branding, ou seja, como uma empresa projeta o seu compromisso na marca.

As dez principais gestoras de ativos de acordo com o RIBI 2021:

  1. Federated Hermes International
  2. AXA Investment Managers
  3. Schroders
  4. Candriam
  5. NN Investment Partners
  6. DPAM
  7. Mirova, filial da Natixis IM
  8. Etica SGR
  9. BNP Paribas Asset Management
  10. Sycomore Asset Management

“A Schroders e a NN IP entraram no Top 10 pela primeira vez, enquanto a AXA IM, a Candriam, a DPAM e a Mirova já aparecem no Top 10 desde a primeira edição, o que é bastante consistente”, disse Jean-François Hirschel. “É interessante observar que todas as empresas são europeias. Isto demonstra a maior sensibilidade às questões do ESG nesta região. Outro aspeto notório é que há uma mistura heterogénea de grandes grupos mais globais e boutiques especializadas, pelo que os investimentos sustentáveis não dependam da dimensão de uma empresa, mas da sua vontade e cultura”, disse.

“À primeira vista, os resultados do RIBI de 2021 indicam uma dinâmica de “um passo em frente, dois passos para trás” para a indústria de gestão de ativos. Apesar de estarem a ser feitos grandes esforços para incorporar conscientemente os critérios ESG, apenas uma em cada seis gestoras de ativos se enquadra na cobiçada categoria da vanguarda, ou seja, as empresas que estão na vanguarda da comunicação de um compromisso com a sustentabilidade através da sua marca, enquanto algumas das maiores empresas estão entre os menos adiantados”, acrescentou François Hirschel.

Responsible Investment Brand Index 2021, As dez gestoras que melhor comunicam os seus compromissos de sustentabilidade com a sua própria marca

Europa no topo

Outra constatação de interesse que emerge do RIBI 2021 é que, a nível regional, a Europa está na liderança a nível global, uma vez que um quarto das gestoras europeias vincula de forma proveitosa os seus propósitos de geração de retornos financeiros para os investidores com o pensamento consciente sobre o progresso da sociedade como um todo (um valor que aumenta quase 6% em relação a 2020).

Isto contrasta com a região norte-americana, onde o mesmo número de empresas (quase metade) declara um propósito, mas menos de duas em cada dez gestoras de ativos se esforça por ligar as suas ambições aos objetivos sociais. “Sendo a maior região em número de players e ativos totais sob gestão, isto é motivo de preocupação”, afirmou Hirschel.

Responsible Investment Brand Index 2021, As dez gestoras que melhor comunicam os seus compromissos de sustentabilidade com a sua própria marca

“Para fazer a diferença, é preciso ter em mente que as declarações de intenções que são difíceis de contrastar com os factos podem ser contraproducentes para a marca. Outro elemento essencial é a transparência na comunicação”, reiterou Hirschel. “Há um grande desenvolvimento dos temas ESG na indústria com um mercado cada vez mais concorrido e, portanto, mais complexo para as gestoras se distinguirem”, concluiu Markus Kramer.