As gestoras que mais estão a vender na Europa em 2021

gestoras, As gestoras que mais estão a vender na Europa em 2021
Créditos: Matt Paul Catalano (Unsplash)

Ou as coisas mudam muito ou 2021 vai ficar para a história como um ano muito positivo para a indústria europeia de gestão de ativos. Segundo dados da Refinitiv, entre janeiro e setembro as entradas líquidas registadas na Europa pelo setor ascendem a 463.900 milhões de euros. No total, o património já se situa nos 14,5 biliões. Mas... que gestoras de ativos estão a conseguir atrair mais fluxos?

De acordo com os números que apresenta a empresa de análise, a BlackRock é a entidade que mais entradas de dinheiro recebeu nos nove primeiros meses do ano na Europa. Concretamente, as captações líquidas alcançariam os 72.100 milhões. Seguem-se a Vanguard e a UBS AM, com 24.500 milhões de entradas, respetivamente, a Allianz GI (18.600 milhões) e a DWS (17.200).

Desagregação por classe de ativos

Fazendo a desagregação por classe de ativos pode-se observar que a BlackRock é a gestora que mais dinheiro capta na Europa tanto em ações como em obrigações. Com os seus produtos de ações recebeu entradas líquidas entre janeiro e setembro na Europa no valor de 64.100 milhões. Com os seus fundos de obrigações, os fluxos líquidos ascendem a 18.700 milhões.

Nas ações, também destacam as fortes captações líquidas registadas pela J.P. Morgan AM (13.700 milhões), DWS (13.200 milhões), Vanguard (10.100) e Baillie Gifford (9.500). Nas obrigações, após a BlackRock situam-se a UBS AM, com 16.300 milhões de captações desde janeiro, Vanguard (8.000 milhões), State Street Global Advisors (6.700 milhões) e BNP Paribas AM (6.500 milhões).

No que se refere ao mundo dos multiativos, a entidade que mais dinheiro recebeu nos nove primeiros meses do ano na Europa é a Allianz Global Investors (9.000 milhões). Seguem-se a Union Investment (7.100), Vanguard (6.500), DWS (5.500) e a BlackRock (5.000).

Por último, está o universo dos fundos de gestão alternativa, um campo liderado pela Pictet AM. A empresa suíça é a que mais entradas líquidas receberam nesta categoria na Europa desde janeiro. No total, 3.000 milhões. De seguida, situam-se a DWS, com 2.700 millhões, a J.P. Morgan AM (2.500) e a Aegon Asset Management e a Nordea AM, com 1.900 millhões, em cada caso.