BCE termina o PEPP em março de 2022, mas está pronto para retomar se necessário. As primeiras reações das gestoras internacionais

BCE, BCE termina o PEPP em março de 2022, mas está pronto para retomar se necessário. As primeiras reações das gestoras internacionais
Créditos: Sanziana Perju/ECB

Flexibilidade é palavra de ordem. Embora o BCE diga estar confiante nos progressos da recuperação económica e no objetivo da inflação a médio prazo, é impossível negar quanto é que a pandemia COVID-19 ainda representa em termos de incerteza, também devido à recente propagação da variante Omicron.

Na última reunião do ano, Christine Lagarde confirmou o que esperava: uma redução gradual do ritmo de compra de ativos no âmbito do programa de compra de emergência para a pandemia (PEPP) será implementada nos próximos trimestres até à sua conclusão em março de 2022.  

O caminho para restrições graduais

Como referido, durante o primeiro trimestre de 2022, o BCE espera continuar com o programa de emergência de compras para a pandemia, mas a um ritmo mais lento do que no trimestre  anterior. O PEPP cessará no final de março de 2022.

Sem prejuízo, como reiterado várias vezes por Lagarde na conferência de imprensa, de que as compras de PEPP possam ser retomadas, se necessário, para contrariar os choques negativos relacionados com a pandemia, a causa para a qual o programa foi lançado. Precisamente por isso, o Conselho do BCE decidiu também alargar o horizonte de reinvestimento ao PEPP, pelo menos até ao final de 2024. A política do Banco Central Europeu quer avançar com cautela, tendo como guia a publicação e o desenvolvimento de dados macroeconómicos. Em todo o caso, o futuro da carteira PEPP será gerido para evitar interferências na posição de política monetária adequada e poderá também incluir obrigações do tesouro grego.

No âmbito do asset purchase programme (APP), decidiu-se aumentar a compra líquida mensal dos atuais 20 mil milhões de euros para 40 mil milhões de euros no segundo trimestre de 2022 e 30 mil milhões de euros no terceiro trimestre.  A partir de outubro de 2022, por outro lado, vai recuar para um ritmo de 20 mil milhões de euros por mês.

Segundo Fabio Castaldi, gestor de Investimentos da Pictet Asset Management: "Não só a redução das compras é mais abrupta do que o esperado, como a falta de flexibilidade do programa da APP em se desviar do Capital Key Ratio oferecerá menos opções de apoio às obrigações soberanas de países periféricos do que a flexibilidade do PEPP ou programas-ponte que poderiam ser pensados para garantir uma transição mais ordenada neste contexto."

No geral, as palavras de Lagarde teriam favorecido o regresso ao nervosismo em que os mercados se encontravam. Andreas Billmeier, economista europeu da Western Asset (parte de Franklin Templeton) acredita que: "O BCE delineou uma posição monetária moderadamente mais rigorosa durante grande parte de 2022, levando a uma subida moderada das curvas das taxas europeias. No entanto, não determinou quando as compras de ativos terminarão, nem descartou a correlação com o aumento das taxas de juro. Esperamos um euro moderadamente mais forte".

Inflação temporária, quanto tempo mais?

Embora Lagarde admita que a atual fase de subida da inflação vai durar mais do que o inicialmente esperado, estes níveis deverão diminuir durante o próximo ano.  A inflação subiu para 3,4% em setembro e a previsão de Frankfurt confirma que vai continuar a crescer este ano, elevando as estimativas de 2,6%, em 2022 para 3,2% e em 2023 para 1,8%.  

Sem surpresas da reunião de hoje para Konstantin Veit, gestor da PIMCO.  "Acreditamos que as hipóteses de a zona euro enfrentar um problema de inflação a médio e longo prazo são modestas, particularmente em comparação com jurisdições onde a política orçamental é tradicionalmente menos limitada em ter em conta o comportamento do setor privado".

No entanto, a curto prazo, a inflação continua a mostrar o seu vigor e, segundo Lagarde, isso deve-se ao aumento dos preços da energia, à recuperação da procura e aos bottle-necks que temos visto e que continuarão a representar elementos de grande incerteza. 

A ligeira mudança que vimos na posição da Fed parece ter pressionado o BCE, segundo Morgane Delledonne, diretora de Investigação da Global X, que explica como: "As rentabilidades das yields das obrigações euro e europeias após o anúncio sugerem que os participantes no mercado estão a antecipar novas ações de ajuste por parte do BCE assim que a onda Omicron passar.  Marilyn Watson, responsável de Global Fundamental Fixed Income Strategy da BlackRock, também acredita que esta foi uma semana decisiva para os bancos centrais e que as mudanças na política monetária do BCE são notáveis.

Taxas firmes

As taxas de juro, mais uma vez sem surpresa, mantêm-se semi-inalteradas ou inalteradas, pelo menos até que a inflação atinja o objetivo de 2%.  Por isso, é muito improvável que ocorra uma subida durante 2022, mesmo que Lagarde, no seu discurso, tenha reiterado que será necessário, como é habitual, monitorizar os dados macro.

Quem está mais focado no curto prazo poderá prestar mais atenção às expetativas das taxas  de juro do banco central, "enquanto os que se concentram mais no longo prazo estão mais inclinados a ouvir os sinos do abrandamento do crescimento. O resultado poderá ser uma tendência de achatamento da curva", explica Antonio Cesarano, estratega global da Intermonte.

Finalmente olhando para o estado de saúde da economia da zona euro, o BCE reviu em alta a previsão de crescimento para 2021 para 5,1%, baixando para 4,2% em 2022, para 2,9% em 2023, enquanto em 2024 se prevê um abrandamento para 1,6%.