Candriam Sustainable Equity Emerging Markets: megatendências sustentáveis em emergentes

sustentáveis, Candriam Sustainable Equity Emerging Markets: megatendências sustentáveis em emergentes
Jan Boudewijns, Paulo Salazar e Lamine Saide. Créditos: Cedida (Candriam)

Dois focos definem a filosofia de investimento do Candriam Sustainable Equity Emerging Markets. Primeiro, a seleção de empresas com perspetivas de crescimento sustentável dos seus lucros e com um balanço sólido. Segundo, negócios com potencial para beneficiar das megatendências estruturais temáticas e de sustentabilidade. E, como o próprio nome indica, aplicado aos mercados emergentes. O processo de identificação destas empresas é uma combinação de uma sólida análise ESG e um processo de análise financeira próprio que reúne a experiência combinada da Candriam em ambos os campos. Assim, a estratégia alcançou o Selo FundsPeople 2021 com a dupla classificação de Blockbuster e Consistente.

O processo de investimento da equipa liderada pelos gestores Jan Boudewijns, Paulo Salazar e Lamine Saide junta uma abordagem temática de definição de tendências de apoio e motores de crescimento. É sustentado por uma análise fundamental para identificar empresas de qualidade a preços atrativos com um crescimento forte e sustentável.

Dados os objetivos de investimento da estratégia, esta tem um enviesamento natural para empresas de maior crescimento. No caso de subidas repentinas das taxas de juro, poderia haver uma pressão a curto prazo sobre tais empresas. No entanto, os gestores defendem que, a longo prazo, as empresas com maiores perspetivas de crescimento e retorno do que os seus pares continuarão a proporcionar um maior valor acionista.

O foco ESG da Candriam

A estratégia também tem um objetivo de sustentabilidade definido. Procura manter uma pegada de carbono pelo menos 30% inferior e uma pontuação ESG superior à do índice de referência (o MSCI EM).

O processo ESG do Candriam Sustainable Equity Emerging Markets segue uma filosofia característica. Centra-se na abordagem dos desafios de sustentabilidade específicos dos mercados emergentes. Como tal, incorpora uma análise detalhada da atividade empresarial e das partes interessadas de cada emissor.

A análise ESG começa com a exclusão de empresas que operam em sectores controversos e que correm o risco de violar princípios baseados nas normas do UNGC. Inclui depois uma extensa análise ESG específica do emissor, centrada na atividade empresarial e na análise das partes interessadas. A estratégia exclui as empresas que se encontram no percentil inferior do universo dos mercados emergentes, com base na sua pontuação interna.

O processo de investimento financeiro é único na medida em que se trata de uma combinação de uma seleção quantitativa própria e comprovada. Uma análise fundamental bottom-up e uma abordagem temática/megatendência constante. "O resultado é uma seleção de empresas de qualidade preparadas para beneficiar de ventos favoráveis sustentáveis", afirma a equipa de gestão.

Atualização do Candriam Sustainable Equity Emerging Markets

A carteira do Candriam Sustainable Equity Emerging Markets é atualmente influenciada por dois pressupostos. A longo prazo, as economias dos países emergentes continuam a beneficiar das tendências seculares. Os gestores falam do aumento do rendimento disponível associado a uma classe média em crescimento, o aumento do investimento em investigação e desenvolvimento, a adaptação tecnológica crescente e a transformação do consumo energético para além dos simples motores da produção global. Ao mesmo tempo, os mercados emergentes continuam sub-representados nas carteiras de ações globais. O MSCI EM representa menos de 15% do MSCI AC World. Além disso, os mercados emergentes estão muito menos expostos ao ciclo e às matérias-primas do que no passado, com o rápido crescimento dos sectores tecnológicos no índice EM.

A curto prazo, vários fatores poderiam determinar as perspetivas dos mercados emergentes. Especificamente, a evolução regulamentar na China, o ritmo de vacinação, a reabertura em algumas partes dos mercados emergentes e o ambiente mundial de liquidez, incluindo a redução das compras de ativos pelos bancos centrais.

Neste contexto, a estratégia adotou algumas medidas ativas para resolver quaisquer incertezas a curto prazo. Por exemplo, tendo em conta o endurecimento da regulação na China, a estratégia reduziu a sua exposição a empresas chinesas cotadas no estrangeiro e compensou-a com a exposição ao mercado chinês local. A estratégia continua a fazer alterações ativas para capturar quaisquer oportunidades, mantendo em simultâneo uma carteira equilibrada de empresas de qualidade e crescimento sustentado nos mercados emergentes que são mais resistentes à volatilidade a curto prazo.