Eleições em Itália: as reações das gestoras ao bis de Mattarella

Itália, Eleições em Itália: as reações das gestoras ao bis de Mattarella
Créditos: Christopher Czermak (Unsplash)

Os mercados congratularam-se com a reeleição de Sergio Mattarella para a presidência da República de Itália e com a confirmação simultânea (e implícita) de Mario Draghi como primeiro-ministro. No primeiro dia de negociação após o bis de Mattarella, o mercado milanês fechou em positivo e, ao mesmo tempo, o spread BTP-Bund reduziu-se para 130 pontos base (nas últimas semanas tinha atingido os 150 pontos base). Há várias consequências do resultado eleitoral, ligadas tanto à redefinição do equilíbrio político como à garantia de um período favorável à implementação do Plano Nacional de Recuperação e Resiliência (PNRR). No entanto, existem as questões críticas relacionadas com a ausência de uma figura política capaz de fazer convergir os impulsos dos partidos italianos para um objetivo comum, e as potenciais repercussões em termos de alargamento da propagação ou de redução da confiança do mercado no resultado positivo dos planos de reforma italianos.

Estimativas para o ano

A primeira prova da reeleição de Mattarella para o Quirinale refere-se à garantia de continuidade política. De acordo com a S&P, o governo de Draghi poderá “concentrar-se na implementação de uma segunda ronda de reformas” no âmbito do PNRR. A S&P recorda como o guarda-chuva do programa NextGenerationEU deve garantir ao país 191,5 mil milhões de euros (pouco menos de 12% do PIB) em subvenções e empréstimos até 2026. Já a economia italiana confirma um crescimento de 6,5% em 2021 e a expectativa de uma nova expansão de 4,7% este ano. Estes elementos, em conjunto, poderiam conduzir a uma redução de outro indicador: o rácio dívida/PIB. De acordo com a empresa de rating, em 2022 ficará nos 141,8%, contra um pico de 145,4%.

O impacto nos pontos base

Um indicador de mercado positivo no que diz respeito ao spread que, como salienta também Andreas Billmeier, economista europeu da Western Asset (parte da Franklin Templeton), “registou uma ligeira redução”. No entanto, “do ponto de vista do médio prazo, a idade de Mattarella (81) e as próximas eleições legislativas (primeiro semestre de 2023) lançaram algumas sombras, mais do que se um candidato mais jovem (incluindo Draghi) tivesse sido escolhido para o cargo”. Segundo Annalisa Piazza, analista de fixed-income research analyst da MFS Investment Management, “os BTP devem beneficiar de uma nova estabilidade e da integridade das duas figuras mais importantes no panorama político”, confirmando ainda que, a curto prazo, “pode haver a possibilidade de uma ligeira redução dos spreads face ao bund”.

Por outro lado, na Algebris notam um impacto limitado nas obrigações e ativos do Governo italiano, uma vez que muitos não teriam “avaliado as possibilidades de incerteza política após estas eleições. Segundo Alberto Gallo e Gabriele Foà, gestores da entidade, “os próximos 12 meses poderão ser mais difíceis”. Os dois especialistas recordam alguns elementos, como o facto de o BCE, até à data, deter 35% da dívida italiana, prevendo-se um aumento gradual em 2022, com possíveis aumentos em 2023. A isto soma-se a crítica política com os partidos de direita (anti-europeus) a atingirem 40% acumulados nas sondagens. “Isto implica um certo risco de se seguir em relação a discussões não exatamente favoráveis ao mercado, que ressurgem regularmente durante a campanha eleitoral”.

A incógnita das eleições de 2023

De acordo com o que se tem visto nos ativos de risco italianos, da Algebris salientam que “a credibilidade do presidente em exercício pode pelo menos proteger parcialmente os ativos italianos da volatilidade, tendo em conta as eleições de 2023”. Neste caso, a hipótese de uma eleição de Draghi para o Quirinale está delineada. Mesmo de acordo com o gabinete de estudos Equita “o bis de Mattarella é o cenário mais favorável para os mercados porque dá estabilidade ao governo até ao final do mandato natural do Parlamento (2023)”. A confirmação do status quo deixaria também “em aberto a possibilidade de Draghi se tornar presidente após as eleições gerais, caso Mattarella decida demitir-se antes do final do mandato”. Na Equita também chamam à atenção para o PNRR. Com a possibilidade de o governo continuar o seu trabalho sem problemas, também melhora a visibilidade na implementação do plano definido como “um fator-chave para as perspetivas de crescimento italianas em 2022-26”.

Um presidente-chave da UE

Na Vontobel notam que um dos aspetos centrais da escolha política do último fim-de-semana é a confirmação no Quirinale de um Presidente “pró-EU”, que também terá uma função de equilíbrio tendo em conta qualquer remodelação governamental ou a formação de novas coligações parlamentares. “Isto significa que seria mais difícil formar um governo com uma posição anti-UE e euro, embora as sondagens agora mostrarem uma potencial mudança a favor de alguns partidos de direita céticos em relação à UE/euro”, disse Gianni Piazzoli, CIO, e Reto Cueni, economista-chefe, Vontobel Wealth Management em Itália. Os especialistas recordam como o tandem Mattarella-Draghi é também um ponto forte para outros governos (como o francês de Macron) que pretendem continuar no caminho da integração financeira e económica na UE. “Este é um contrapeso importante para as mudanças atuais na Alemanha, onde o novo ministro das Finanças do Partido Liberal (FDP) quer ver uma posição mais dura na Europa no que diz respeito às regras fiscais e compromissos comuns com a dívida”, aponta Vontobel.

A ausência de um partido forte

Outro elemento de ordem política que emerge do compromisso sobre Mattarella é que “nenhum dos partidos políticos italianos pode reclamar a vitória”. Isto também tem impacto na ação de Draghi, uma vez que alguns partidos (Lega, M5S e Forza Italia) excluíram a sua candidatura ao Quirinale para manter o cargo de primeiro-ministro, agora os mesmos partidos “são obrigados a deixar-lhe a última palavra sobre qualquer grande reforma que a Itália deve aprovar em 2022”. Matteo Ramenghi, CIO da UBS WM Itália, também sublinha como a incapacidade de Draghi para eleger para o Quirinale se deveu à ameaça manifestada por alguns partidos de abandonar a coligação se o atual primeiro-ministro tivesse mudado para os andares superiores, enquanto a maioria dos partidos políticos se concentrava em manter o status quo, pelo menos até às eleições de 2023. Na UBS espera-se que a posição de Draghi tenha surgido reforçada com esta eleição, “eliminando o risco de um potencial atraso no lançamento do Fundo de Recuperação e acelerando a agenda de reformas”.

Segundo Maarten Geerdink, head of European Equities da NN Investment Partners, “a longo prazo, a reeleição implica que Draghi tem agora uma janela de seis a 12 meses para avançar com a agenda das reformas e colocar a Itália numa posição mais forte”, enquanto a incerteza eleitoral se destaca a médio prazo. Incerteza partilhada, em última análise, por Annalisa Piazza, da MFS Investment Management, que não exclui a instabilidade a curto prazo. No entanto, até o especialista está confiante num reforço de Draghi à luz desta eleição, “para avançar no caminho das reformas, agora que os partidos políticos têm de recolher as peças dos seus programas”, tendo em vista a próxima volta eleitoral.