Elena Domecq (J.P. Morgan AM): “Os mercados preveem subidas de taxas muito agressivas”

taxas de juro, Elena Domecq (J.P. Morgan AM): “Os mercados preveem subidas de taxas muito agressivas”
Elena Domeq. Créditos: Cedida (J.P. Morgan AM)

A manchete da semana: o bund alemão a 10 anos passou o limiar dos 0% pela primeira vez em dois anos. Trata-se de um nível simbólico que, no entanto, reflete a tendência bullish das yields das obrigações nas últimas semanas. E na opinião de Elena Domecq este movimento de correção ainda está na fase inicial. “As yields ainda têm de subir. Tanto nos Estados Unidos como na Europa”, alerta a profissional, membro da equipa de Cliente e Estratégia para Espanha e Portugal da J.P. Morgan Asset Management.

Assim, a sua previsão é de que 2022 trará novamente um cenário complicado para o investidor mais conservador, aquele que podia confiar anteriormente no governo. E a especialista defende que se vão manter subponderados em duration. Se tivesse dívida na carteira, seria corporativa high yield ou, pelo menos, uma estratégia com uma abordagem muito flexível para navegar no ambiente volátil.

E é inegável que os bancos centrais estão a apontar para um novo contexto de retirada de estímulos. Dito isto, Elena Domecq assumirá o novo cenário com mais calma do que aquilo que o mercado está a refletir. “Os mercados estão a prever uma subida de taxas muito agressiva. Pensamos que vai ser mais flexível do que pensávamos”, diz. Por duas razões. Primeiro, porque a Reserva Federal primeiro quererá garantir que o crescimento será sólido. Segundo, porque este ano está prevista a entrada de novos governadores no banco central e os principais candidatos têm uma postura mais dovish.

Por isso, embora advirta que as yields das obrigações vão sofrer uma correção, por enquanto descarta um taper tantrum como a que se viveu em 2013. “Os bancos centrais aprenderam a sua lição. Qualquer alteração à política monetária será perfeitamente comunicada”, garante a especialista.

Razões para ser otimista apesar dos riscos no mercado

Apesar da iminente normalização da política monetária, o cenário central com o qual trabalham na J.P. Morgan AM é positivo.  A recessão causada pelo coronavírus foi muito forte, mas a recuperação subsequente também foi excecional. E o ponto-chave, é que não há razão para pensar que vai abrandar.

Até agora, o motor do crescimento global têm sido os bancos centrais. Injetaram estímulos monetários e fiscais a um nível que não se via desde a Segunda Guerra Mundial. Mas agora esse motor será substituído pelas famílias e empresas.  E na opinião de Elena Domecq, estão em posição de o fazer. Apesar da inflação, as famílias continuam a ter níveis de poupança para manter o consumo e as empresas reduziram o seu endividamento e reativaram o investimento em capex.

Não é que não vejam riscos, na J.P. Morgan AM. Certamente que temos de falar da pandemia, os problemas de abastecimento nas cadeias de produção, a fragilidade do crescimento ou a mudança estratégica na China. Mas, destes quatro pontos, pode ser feita uma leitura positiva.

Sim, ainda estamos numa pandemia. A onda de inverno lembrou-nos que isto ainda não terminou e que os confinamentos em alguns países europeus afetarão inevitavelmente os dados de crescimento que serão divulgados dentro de algumas semanas. Mas não voltámos, certamente, a março de 2020 e a menor virulência desta variante também nos convida a pensar que estamos a entrar numa nova fase. Por esta razão, Elena Domecq acredita que os problemas com as cadeias de abastecimento serão gradualmente resolvidos ao longo deste ano. Isto, por sua vez, aliviará a pressão da inflação. 

Quanto à China, é verdade que o país está num ponto delicado. Estão a tomar decisões em consonância com o seu plano de crescimento a longo prazo, uma estratégia que procura mover a economia chinesa para um sistema mais sustentável. Ou seja, evitar que qualquer setor se torne um risco sistémico no futuro.