Larry Fink (BlackRock): “Não é capitalismo woke. É capitalismo”

capitalismo, Larry Fink (BlackRock): “Não é capitalismo woke. É capitalismo”
Larry Fink. Créditos: Cedida (BlackRock)

Não é capitalismo woke. É capitalismo. Na sua carta anual aos CEO de todo o mundo, Larry Fink, CEO da BlackRock, combate as críticas ao caminho do ESG que se está a ver na indústria financeira nestes últimos anos. “Centramo-nos na sustentabilidade não por sermos ecologistas, mas porque somos investidores e curadores do património dos nossos clientes”, sentencia.

Com 34 anos de experiência na BlackRock, Fink diz reconhecer o que distingue as grandes empresas: é sempre um claro sentido de propósito, valores consistentes e, de forma significativa, reconhecimento da importância de envolver e servir os seus principais stakeholders.  Na sua opinião, esta é a base do capitalismo de stakeholders. E insiste que é um tipo de capitalismo que nada tem a ver com política, nem segue uma agenda social ou ideológica.  “Não é o capitalismo woke”, afirma. É capitalismo. Impulsionado por relações mutuamente benéficas entre a empresa e os colaboradores, clientes, fornecedores e comunidades de que a empresa depende para prosperar. “É aí que reside o poder do capitalismo”, insiste.

As regras do jogo não mudaram. A legítima procura por retornos continua a ser o que motiva os mercados. E a rentabilidade a longo prazo é o barómetro pelo qual este último determinará, em última análise, o sucesso de uma empresa. O que sofreu uma mutação é a fonte desses retornos.  A relação entre uma empresa, os seus colaboradores e a sociedade está a ser redefinida. “Os colaboradores precisam de compreender e conectar-se com o seu propósito, porque quando isso acontece, podem tornar-se os seus mais fortes defensores. Os clientes querem ver e ouvir o que defendem, uma vez que procuram cada vez mais fazer negócios com empresas que partilham os seus valores”, comenta Fink. Uma evolução que acelerou ainda mais graças à pandemia.

E serão as empresas inovadoras que se adaptam ao novo ambiente que terão fácil acesso ao capital. “Nunca antes foi mais essencial que os CEO tivessem uma voz consistente, um propósito claro, uma estratégia coerente e uma visão de longo prazo.  O propósito da sua empresa é a estrela que deve guiá-lo neste contexto tumultuoso”, assegura Fink.

O S do ESG, no centro da transformação

Há dois anos, o responsável máximo da maior gestora do mundo usou a sua missiva tradicional para os CEO globais para enviar uma mensagem clara: o investimento sustentável será imparável.  A gestora americana não foi a primeira a pregar a mensagem do ESG, mas tem sido uma das mais vocais para alertar para a mudança que irá significar para os mercados financeiros nos próximos anos.

E uma das grandes revoluções que a pandemia trouxe vem do lado social. Nenhuma outra relação mudou tanto por causa da pandemia como aquela que existe entre os empregadores e os seus empregados, argumenta o CEO. Nenhuma outra crise sofreu um fenómeno semelhante. A taxa de demissão nos Estados Unidos e no Reino Unido está em máximos históricos. E nos Estados Unidos, assistimos a alguns dos maiores aumentos salariais em décadas. “À medida que as empresas se reconstroem após a pandemia, os seus CEO enfrentam um paradigma totalmente diferente do que estamos habituados”, prevê.

O mercado de trabalho onde a saúde mental não era falada e onde os baixos salários predominavam já não existe. E este é um risco de negócio. “As empresas que não se conformam com esta nova realidade e não respondem às expetativas dos seus colaboradores fazem-no por sua conta e risco”, disse Fink. É um fator ao qual a BlackRock como gestora prestará especial atenção na sua análise dos fundamentais de uma empresa. Já antecipam que vão querer saber como é que uma empresa está a considerar a sua ligação com os seus trabalhadores. “O lugar e a forma como trabalhamos nunca mais será o mesmo de antes. Como é que a cultura da sua empresa se está a adaptar a este novo mundo?”, questiona o CEO.

A transição energética determinará o capital

Em todos os momentos, Fink é claro quanto à sua mensagem. Estas exigências não respondem a questões políticas, é o capitalismo puro e simples em todos os momentos. E ou as empresas se adaptam ou o fluxo de investimento será cortado. “O acesso ao capital não é um direito, mas um privilégio. E o dever de atrair esse capital de forma responsável e sustentável recai sobre si”, deixa o aviso às empresas.

Por outras palavras: adaptar-se ou morrer. E um dos pontos mais decisivos que Fink deteta é a forma como a transição energética global é abordada nos próximos anos. Poucas coisas afetarão tanto as decisões de alocação de capital e, portanto, o valor a longo prazo de uma empresa, considera o CEO. “Todas as empresas e todos os setores serão transformados no quadro da transição para um mundo neutro em carbono. A questão é: pegamos no leme ou somos conduzidos pelos outros?”, questiona.