O panorama da inflação na Europa

inflação, O panorama da inflação na Europa
Créditos: Tamara Gak (Unsplash)

A série Flossbach von Storch Wealth (FvS)Wealth Price Index do Instituto Flossbach von Storch mede a evolução dos preços dos ativos privados das famílias em países-chave da zona euro (Áustria, Bélgica, Finlândia, França, Alemanha, Grécia, Itália, Países Baixos, Portugal e Espanha). O índice de preços para zona euro, assim como para os países individuais, calcula-se com a média ponderada da evolução dos preços dos ativos reais (imóveis, riqueza empresarial, bens de consumo duradouros e artigos de coleção) e ativos financeiros propriedade das famílias (ações, obrigações, equivalentes de dinheiro e outros ativos financeiros).

Inflação dos preços dos ativos da zona euro

Os preços dos ativos das famílias na zona euro estavam 9,2% mais altos em meados de 2021 do que em meados de 2020. Esta é a medição da inflação dos preços de ativos mais alta para a região desde o início da série em 2005. Em cada um dos quatro trimestres, os preços dos ativos registaram um crescimento significativo. Com +2,9%, o crescimento dos preços foi especialmente alto no segundo trimestre de 2021.

A coincidência de diversas circunstâncias é determinante para o registo deste valor recorde. A política monetária do Banco Central Europeu e a política fiscal dos países membros estabilizaram os preços dos ativos e provocaram uma subida em cada um dos quatro trimestres. A perspetiva de uma recuperação económica também fez com que subissem os preços nos mercados de alguns ativos. Além disso, algumas séries refletem um efeito de base quando, em meados de 2020, os preços ainda não tinham recuperado após o surgimento do coronavírus.

Existe uma considerável divergência na evolução dos preços dos ativos entre os países da zona euro. Nos países do Norte, a inflação dos preços dos ativos é significativamente mais alta (+11,4%) do que nos países do Sul (+4,9%).

Ativos reais na zona euro

Os ativos reais representam a maioria dos ativos totais da família média da região e, portanto, são o fator decisivo do índice global. Com um aumento de preço de 10% a meados do ano em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, registou-se um valor recorde em ativos reais. Os impulsionadores-chave dos ativos reais são os bens imóveis e os ativos comerciais.

A elevada procura de bens imóveis continuou no primeiro semestre de 2021, o que elevou os preços dos ativos imobiliários propriedade de famílias privadas na zona euro em 6,7% em termos homólogos em meados do ano. A pandemia de coronavírus e as suas medidas de contenção aumentaram a avaliação das propriedades em toda a zona euro, o que, em muitos lugares, reforçou ainda mais o excesso de procura já existente. Além disso, as condições favoráveis de financiamento impulsionaram a procura. Este efeito foi particularmente evidente no segundo trimestre de 2021, já que os preços das propriedades na zona euro aumentaram 2,6% só nesse trimestre.

Riqueza empresarial e bens de consumo

Os preços da riqueza empresarial privada mostraram o aumento do preço mais alto de todos os ativos com +34,3% em meados do ano. A alta taxa de crescimento deve-se, em parte, a um efeito de base, já que os preços ainda não tinham recuperado por completo em meados de 2020 após o rebentar da pandemia. As medidas de política fiscal e a recuperação económica emergente na primeira metade de 2021 fizeram com que os preços subissem ainda mais. Os preços da riqueza das empresas privadas medem-se utilizando os preços das pequenas e médias empresas que negoceiam em bolsa.

Os preços dos bens de consumo duradouros aumentaram 1,4% em termos homólogos em meados do ano. Apesar dos preços terem estacando na segunda metade de 2020, aumentaram significativamente na primeira metade de 2021 e mostraram o maior crescimento desde o início da série em 2005. Uma das razões para isto são os atrasos nas cadeias de fornecimento.

Os bens de coleção e especulativos na zona euro aumentaram o seu preço em 6,5% face a meados do ano anterior. Na categoria de preços dos objetos de arte aumentaram 3,2%, e as joias e metais preciosos aumentaram em cada um dos quatro trimestres, com a taxa de crescimento mais alta, +1,7% em cada trimestre mais recente.

Dentro dos ativos financeiros, a cotação das ações foi a que mais subiu com +26,4%. Contudo, o aumento dos preços deve-se a um efeito de base, dado que em meados de 2020 os preços ainda não tinham recuperado por completo da queda do começo da pandemia.

Ativos financeiros na zona euro

Os preços dos ativos financeiros das famílias privadas na zona euro em meados do ano subiram 4,6% face a meados do ano anterior.  Os preços totais dos ativos financeiros aumentaram em cada um dos quatro trimestres, tendo subido 1,7% no último trimestre.

No âmbito dos ativos financeiros, o preço das ações foi o que mais subiu (+26,4%). Embora o aumento dos preços se deva, em parte, a um efeito de base, dado que até meados de 2020 os preços ainda não tinham recuperado totalmente da queda no início da pandemia, o aumento dos preços reflete também a recuperação económica e as medidas de política fiscal e monetária dos países da zona euro.

Os preços das obrigações das famílias privadas na região subiram na segunda metade de 2020, apoiados pela política monetária, mas depois caíram no primeiro semestre de 2021 devido ao aumento das expetativas de inflação. Em meados do ano, os preços dos ativos de pensões foram apenas 0,6% mais elevados do que em meados do ano anterior.

Os preços de outros bens financeiros, medidos pelos preços do ouro e das matérias-primas, subiu, 8,9% face a meados do ano anterior. Enquanto o ouro ainda estava a ser procurado como um ativo refúgio no terceiro trimestre de 2020, o preço caiu nos trimestres seguintes. A evolução dos preços das matérias-primas foi o oposto, uma vez que a procura foi baixa em meados de 2020, mas a recuperação económica subsequente fez subir os preços.

Países do Sul

Em todos os países do Sul da zona euro, os preços dos ativos das famílias privadas estavam significativamente mais elevados em meados de 2021 do que em meados do ano anterior. A maior parte do aumento de preços nestes países ocorreu no primeiro semestre de 2021.

Grécia

Na Grécia, a inflação dos preços dos ativos foi a mais elevada entre os países do Sul, com +8,6%.  O desenvolvimento foi impulsionado pelo aumento do preço dos ativos reais. Em particular, a riqueza corporativa, que em meados do ano ainda estava significativamente mais barata do que antes do surto da pandemia, subiu acentuadamente (+55,9%).

Portugal

Com um aumento de preços de 6,4%, o crescimento dos preços dos ativos em Portugal foi um pouco mais baixo, mas ainda assim elevado.  O aumento de 6,6% dos preços do imobiliário contribuiu especialmente para isso. A riqueza corporativa, que impulsiona as taxas de inflação na maioria dos outros países da zona euro, foi elevada em Portugal com mais 14,9%, mas baixa em comparação com os outros países. Os preços da riqueza empresarial privada portuguesa ficaram ainda significativamente abaixo do nível pré-crise em meados de 2021.

Espanha

Em Espanha, a inflação dos preços dos ativos das famílias privadas subiu 4,9% em meados de 2021. É também um valor elevado, mas baixo em comparação com a zona euro. A razão é que os imóveis espanhóis apenas aumentaram 3,3% em relação aos valores registados em meados do ano anterior.

Itália

O menor aumento dos preços dos ativos foi registado em Itália, com +4,3%.  O setor imobiliário italiano estagnou desde meados do ano e registou uma variação de preços de apenas +0,3%. Este é o valor mais baixo para os imóveis dentro da zona euro. Pelo contrário, a evolução dos preços da riqueza empresarial privada, que aumentou 44,7%, o que fez com que o índice italiano subisse.

Países do Norte

A inflação dos preços dos ativos nos países do norte foi significativamente maior do que nos países do Sul em meados do ano, variando entre pouco menos de oito até mais de 15%.

Os preços dos ativos das famílias privadas austríacas aumentaram 15,2%. Esta é a maior inflação dos preços dos ativos medido entre os países da zona euro em meados do ano e para a Áustria o maior aumento de preços desde o início da série em 2005. A evolução é impulsionada pelos preços do imobiliário, que aumentaram 11,6%, e pelo aumento do preço da riqueza empresarial, que registou um aumento de 44,7%. A taxa de aumento dos preços da riqueza das empresas beneficia, em particular, de um efeito de base, uma vez que os preços da riqueza privada austríaca ainda estavam muito abaixo do nível pré-crise em meados de 2020 e só poderiam ultrapassar o nível pré-crise em meados deste ano.

Alemanha

Na Alemanha, a inflação dos preços dos ativos também está em níveis recorde. Os preços dos ativos das famílias privadas alemãs aumentaram 13,6% em relação a meados de 2020.  Na Alemanha, esta evolução é impulsionada pela combinação de aumentos historicamente fortes nos preços do imobiliário (+11,3%) e pelo aumento enorme dos preços da riqueza das empresas (+37,5%).

Holanda

Os Países Baixos também mostram um valor recorde para a inflação dos preços das famílias privadas holandesas em meados do ano, com +12,1% em relação a metade do ano anterior. Tal como na Alemanha, esta evolução é determinada pelo aumento dos preços do imobiliário (valor recorde de +12,8%) e pelo património empresarial (+67,8%).

Finlândia

Na Finlândia, a inflação dos preços dos ativos aumentou 8,8% em meados do ano. Enquanto o imobiliário aumentou o preço em 5,7%, a riqueza corporativa aumentou mesmo 50,7%. Isto não se deve tanto a um efeito de base, mas à evolução dos preços da riqueza empresarial privada na segunda metade de 2020 e no primeiro trimestre de 2021, quando as taxas de crescimento estavam acima de +10,0%.

França

Para a França, o aumento do preço do património das famílias privadas em meados do ano é de +8,4%. Os dois ativos mais importantes, imobiliários e ativos empresariais, apresentam valores elevados de +5,5% e +30,9%, respetivamente, mas não são valores recorde.  No caso dos preços da riqueza das empresas, este não é tanto um aumento significativo dos preços, mas uma continuação da recuperação após o surgimento da pandemia. Só na primavera de 2021 é que os preços da riqueza das empresas privadas francesas voltaram aos níveis pré-crise pela primeira vez. Na maioria dos outros países da zona euro, já o aconteceu ao longo de 2020.

Bélgica

Na Bélgica, a inflação dos preços dos ativos também foi muito elevada no ano passado (+7,9%), mas significativamente mais baixa do que na Alemanha ou nos Países Baixos. Os preços dos imóveis detidos pelas famílias privadas belgas aumentaram 7,4%, a taxa de crescimento dos preços mais elevada desde 2006. Os preços da riqueza das empresas belgas aumentaram apenas +17,6% em meados do ano, o valor mais baixo da zona euro. No entanto, os preços mal tinham entrado em colapso com o surto da pandemia e já tinham regressado aos níveis pré-crise em meados de 2020.

Preços do consumidor

Em nove dos 10 países da zona euro analisados, os preços do consumidor a meio do ano, medidos pelo índice de preços do consumidor (IHPC), aumentaram face aos dados de meados do ano anterior. No entanto, em todos os países, a inflação dos preços no consumidor ficou claramente abaixo da inflação dos preços dos ativos. Áustria (+2,7%), Bélgica (+2,6%), Espanha (+2,6%) têm a maior inflação dos preços no consumidor a meio do ano na zona euro.  Em Portugal, os preços para o consumidor caíram 1,4% em meados do ano.