A tecnologia mudou e está a mudar radicalmente as nossas vidas. Quais são as novas fronteiras?

Francesca Mozzati_noticia
Francesca Mozzati. Créditos: Cedida (Sycomore AM)

TRIBUNA de Francesca Mozzati, especialista de produto, Sycomore Asset Management. Comentário patrocinado pela Sycomore Asset Management.

Estamos surpreendidos com a tecnologia que estamos a usar, algo que há apenas alguns anos teria sido associado à ficção científica. Está a transformar-se a uma velocidade tal que é difícil para todos, desde os reguladores aos utilizadores, acompanhar os seus últimos desenvolvimentos. No centro desta revolução, os algoritmos estão a aproveitar os dados quase ilimitados que nos rodeiam através do poder de computação e da inteligência artificial (IA), desbloqueando infinitas possibilidades para qualquer tipo de atividade ou interação humana.

Apropriar-se da IA para um futuro melhor é uma motivação que impulsiona muitos inovadores em todo o mundo, desde encontrar novas formas de detetar doenças até aumentar a eficiência energética. Graças à tecnologia, não faltam formas de ligar as pessoas ao que querem, seja algo para comprar, uma forma de ser ouvido ou simplesmente de comunicar. Alguns referem-se a estas inovações tecnológicas positivas como tecnologia para o bem.

Em 2019, foram gastos [1]3,8 biliões de dólares globalmente em tecnologia - um setor transversal e multifacetado e uma grande fonte de rendimento para as empresas, quer para os puros tech players, quer através do uso que outras empresas fazem da tecnologia para gerir o seu negócio de forma eficaz. Embora a tecnologia esteja por detrás de progressos espetaculares nos cuidados de saúde, na educação e na comunicação, também tem o poder de prejudicar as pessoas e o ambiente. [2]

Infelizmente, nem tudo são boas notícias. Muitas vezes as novas tecnologias, como os medicamentos, têm efeitos colaterais, mas ao contrário da maioria dos medicamentos, estes efeitos secundários nem sempre são revelados e são descobertos demasiado tarde, quando são descobertos. A inovação tecnológica não tem fronteiras e medir a extensão do seu impacto no ambiente e na sociedade é um desafio complexo.

No ambiente atual, marcado pela crise da COVID-19, os investidores manifestaram a necessidade de investir em empresas que tenham um impacto positivo nas suas vidas.

Para promover o desenvolvimento da indústria sustentável, a Sycomore AM lançou em setembro de 2020 um fundo de ações globais focado na tecnologia responsável, denominado Sycomore Sustainable Tech.

Para identificar e investir nas empresas tecnológicas mais responsáveis e sustentáveis, a equipa de investimento olha para três dimensões - Tech for Good, Good in Tech e Improvement Enablers - que proporcionam uma avaliação transparente e abrangente dos impactos e efeitos externos positivos e negativos.

A dimensão Tech for Good centra-se nos impactos ambientais e sociais dos produtos e serviços de uma empresa. Este passo consiste em avaliar se e em que medida a tecnologia foi concebida para contribuir positivamente para as necessidades sociais e ambientais e, portanto, que resultados positivos pode gerar. Também pode ajudar a detetar tecnologias cujo principal objetivo afeta negativamente certos stakeholders, como um certo tipo de tecnologia de vigilância ou Ad-tech. Esta avaliação começa por avaliar todos os impactos, tanto positivos como negativos, que os produtos e serviços de uma empresa podem ter na sociedade, nos indivíduos e no ambiente.

A dimensão Good in Tech refere-se às práticas responsáveis da empresa. Este passo consiste em avaliar se e em que medida as práticas de uma empresa são concebidas para serem responsáveis e limitar as externalidades negativas da tecnologia aos indivíduos e ao ambiente.

A dimensão Improvement Enablers olha especificamente para empresas que mostram uma clara intencionalidade e oferecem uma capacidade real de impulsionar melhorias. Este passo consiste em avaliar os principais facilitadores para que uma empresa atinja e/ou mantenha um elevado nível de responsabilidade e sustentação - desempenho de capacidade no domínio Tech.

O que significa agir como um investidor responsável em tecnologia?

Significa ter uma compreensão holística do que significa investir de forma responsável na tecnologia antes de tomar uma decisão de investimento:

  1. Avaliar o nível de responsabilidade na tecnologia da empresa através de um quadro abrangente que se baseia num conjunto relevante de métricas e orientações (como o Responsible Tech Framework acima mencionado);
  2. Favorecer investimentos em empresas que usam a tecnologia de forma responsável para reduzir as externalidades negativas nos indivíduos e no ambiente. Por exemplo, dispensamos empresas que apoiam o armamento e os militares, que realizam vigilância massiva, empresas que desrespeitam a privacidade ou, mais genericamente, empresas que não respeitam os direitos humanos.

Implica apoiar e envolver empresas na gestão dos seus impactos e externalidades

  1. Envolver-se com as empresas numa abordagem construtivista para ajudá-las a identificar os condutores da sustentabilidade na tecnologia e a adotar as melhores práticas, incentivando-as a ver as oportunidades que podem aproveitar;
  2. Usar o direito de voto nas assembleias gerais de acionistas para apoiar resoluções que aumentem o desempenho da responsabilidade de uma empresa. Isto implica também votar contra gestores ou administradores que tiveram um desempenho fraco no que diz respeito à proteção dos stakeholders contra externalidades negativas.

Significa criar um ecossistema de apoio à responsabilidade tecnológica

  1. Colaborar com todo o ecossistema (por exemplo, reguladores, académicos, investidores, empresas, ONG, líderes de opinião) através de iniciativas de networking, tais como RightsCon, Ranking Digital Rights, Investor Alliance on Human Rights;
  2. Falar sobre as iniciativas colaborativas necessárias para apoiar o crescimento das empresas mais responsáveis pela promoção de um horizonte de investimento mais longo, facilitando a captação de fundos, defendendo normas e contribuindo para a difusão das melhores práticas.

O Sycomore Sustainable Tech integra a gama de fundos temáticos SRI* da Sycomore AM- que agora inclui 10 estratégias. Por exemplo, o Sycomore Shared Growth, dedicado ao capital social; o Sycomore [email protected], que enfatiza o capital humano; o Sycomore Eco Solutions, focado no capital natural; o Sycomore Next Generation, que é dedicado a temas relacionados com as gerações futuras; e ao Sycomore Global Education focado em empresas que melhoram o alcance, a qualidade e a acessibilidade da educação para os alunos de todas as idades.


[1] Gartner, 2019

[2] Bock, Iansiti e Lakhani (2017), "What the Companies on the Right Side of the Digital Business Divide Have in Common", Harvard Business Review

Past performance is not indicative of future performance. The Fund does not offer any guarantee of return or performance and the Fund does not offer any guarantee of return or performance and carries a risk of capital loss. The Fund’s performance may be partly explained by the ESG indicators of the stocks in the portfolio, but these alone do not determine the performance of the Fund. The opinions and estimates given constitute our judgement and are subject to change without notice, as are assertions about financial market trends, which are based on current market conditions. We believe that the information provided in these lines is reliable, but it should not be considered exhaustive. These data or forecasts have been calculated or made on the basis of public information that we believe to be reliable. However, we have not independently verified this information. Your attention is drawn to the fact that any forecast has its own limitations and therefore no commitment can be made by SYCOMORE Asset Management as to the realisation of these forecasts. The labels allow the identification of responsible and sustainable investments for savers. They are intended to guide investors but do not guarantee the capital invested and do not attest to the quality of the management implemented through the funds.