O dinheiro está de volta?

Laura Donzella
Laura Donzella. Créditos: Cedida (Nordea AM)

TRIBUNA de Laura Donzella, responsável de Institucional and Wholesale Distribution para a Península Ibérica, América Latina e Ásia na Nordea AM. Comentário patrocinado pela Nordea AM.

Durante muito tempo, o investimento em instrumentos de liquidez permaneceu nas mentes dos investidores devido ao contexto de baixas taxas de juro. Após sair da pandemia global, o mundo enfrentou a eclosão da guerra na Ucrânia, que afetou os preços da energia e os alimentos a nível mundial. A inflação disparou, levando os bancos centrais a adotar posturas restritivas ao aumentar acentuadamente as taxas de juro num esforço para controlar a inflação.

No entanto, este contexto apresenta uma oportunidade para os investidores dispostos a olhar novamente para os betas tradicionais de obrigações, uma vez que estas começam a proporcionar rendimentos muito mais atrativos do que nos últimos anos. Com o início de 2023, os investidores apressaram-se a obter retornos nominais positivos, reposicionando claramente as suas carteiras para obrigações de elevada qualidade como o Investment grade e as obrigações soberanas. Com este cenário, parece que o dinheiro voltou a ser coroado como favorito e está a entrar numa nova era.

Contudo, o seu regresso já enfrenta alguns inconvenientes. Apesar dos atuais retornos nominais positivos, os investidores devem lembrar-se de como a inflação afeta os retornos reais (ajustados à inflação) dos seus investimentos. Atualmente, os retornos nominais dos depósitos a um ano rondam os 3% na zona euro. Não obstante, se tivermos em conta o atual nível de inflação na zona euro (que se situa em 6,9% no final de abril de 2023), os retornos reais são negativos. Como resultado, os investidores terão uma perda garantida de aproximadamente -3 a -4%

Por isso, embora os investidores se sintam tentados a obter retornos nominais a curto prazo, não devem perder de vista o longo prazo. Num contexto de mercado desafiante, em que a flexibilidade é uma necessidade, a Nordea Stable Return Strategy pode melhorar a diversificação da carteira dos investidores.

Historicamente, a estratégia proporcionou retornos reais mais elevados em comparação com as obrigações governamentais da zona euro (referimo-nos especificamente à Alemanha, França, Espanha e Itália), com as obrigações hipotecárias europeias, bem como com as obrigações corporativas em euros dos últimos 10 anos, ao mesmo tempo que registaram quedas máximas muito inferiores.

Além disso, a estratégia também experienciou um nível semelhante ou menor de volatilidade realizada em comparação com as obrigações governamentais dos quatro principais países europeus mencionados anteriormente. Em suma, a Nordea Stable Return Strategy proporcionou os retornos ajustados ao risco mais elevados, ao mesmo tempo que reduziu as quedas máximas do mercado1.

Qual é, então, a perspetiva para a Nordea Stable Return Strategy? Se observarmos os retornos previstos para os próximos 10 anos, espera-se que a estratégia ofereça um retorno anual bruto de cerca de 6,5%, superando claramente os níveis de rentabilidade/yield esperados das obrigações soberanas da zona euro, das obrigações hipotecárias europeias e das obrigações corporativas em euros. Neste sentido, a Nordea Stable Return Strategy é uma solução atrativa para o futuro, tanto em termos nominais como reais (ajustados à inflação). No entanto, a grande questão mantém-se: como é que a Nordea Stable Return Strategy consegue entregar a sua proposta de valor?

A Nordea Stable Return Strategy é uma solução multiativos que equilibra estratégias agressivas (as que funcionam durante as recuperações económicas ou durante bull markets de ações) e estratégias defensivas (as que devem trazer diversificação durante recessões e/ou durante bear markets). Como resultado, a combinação destes dois tipos oferece flexibilidade com um atrativo perfil assimétrico de rentabilidade que capta o potencial crescente dos mercados de ações, ao mesmo tempo que procura limitar a sensibilidade às quedas do mercado. Este perfil explica as rentabilidades históricas mais elevadas da estratégia e as menores quedas em comparação com as outras classes de ativos de obrigações mencionadas anteriormente.

Dado que a incerteza continua a persistir no mercado, a flexibilidade e uma longa experiência na gestão ativa dos fundos é imprescindível. A estratégia participa bem nas subidas dos bull markets, ao mesmo tempo que capta menos nos bear markets, oferecendo um maior nível de diversificação através da sua alocação dinâmica e proporcionando maiores retornos esperados no futuro. Embora o regresso do dinheiro pareça ter alcançado um ponto de não retorno, a Nordea Stable Return Strategy continua a ser uma solução atrativa para os investidores de médio a longo prazo.

1  Nos últimos 10 anos, relativamente às obrigações do Tesouro da Alemanha, França, Espanha e Itália, a partir de maio de 2023


A rentabilidade apresentada é histórica. A rentabilidade passada não é um indicador fiável de resultados futuros e os investidores podem não recuperar a totalidade do montante investido. O valor do seu investimento pode aumentar ou diminuir e o investidor pode perder parte ou a totalidade do seu investimento. Não existe qualquer garantia de que os objetivos de investimento, rentabilidade e resultados de uma estrutura de investimento sejam alcançados.

Nordea Asset Management é o nome funcional do negócio de gestão de ativos conduzido pelas seguintes entidades legais: Nordea Investment Funds S.A. e Nordea Investment Management AB (“as Entidades Legais”) e as suas sucursais e subsidiárias. Este documento é Material publicitário e tem o objetivo de prover o leitor com informação sobre as capacidades específicas da Nordea. Este documento (ou qualquer visão ou opinião expressa no mesmo) não representa um conselho de investimento nem uma recomendação de qualquer produto financeiro, estrutura de investimento ou instrumento, para entrar ou sair de certa operação ou para participar em qualquer estratégia de trading. Tal só poderá ser feito através de um Offering Memorandum, ou através de um contrato similar. Publicado e criado pelas Entidades Legais inerentes à Nordea Asset Management. O presente documento não poderá ser reproduzido ou divulgado sem autorização prévia. © As Entidades Legais aderentes à Nordea Asset Management e todas as suas sucursais e/ou subsidiárias.