Os fundos nacionais de ações de mercados emergentes no mapa de retorno e risco

mercados emergentes
Photo by Sam Chang on Unsplash

Recentemente vimos que foram os fundos de ações de mercados emergentes que subiram aos lugares cimeiros do top 15 fundos nacionais mais rentáveis a um ano. Nesse ranking, o Caixagest Ações Emergentes e o Montepio Multi Gestão Mercados Emergentes eram os produtos que ocupavam os dois primeiros lugares da tabela, com retornos a um ano superiores a 50%.

Agora, segundo dados da Morningstar Direct, observamos o mapa de rentabilidade e risco a três anos desta categoria de produtos. No total, são três os fundos nacionais que competem na categoria de ações de mercados emergentes: os já referidos Caixagest Ações Emergentes da Caixa Gestão de Ativos e Montepio Multi Gestão Mercados Emergentes da Montepio Gestão de Ativos, mas também o NB Mercados Emergentes da GNB Gestão de Ativos.

Desta forma, destes três fundos, o que obtém maior retorno a três anos é o Caixagest Ações Emergentes, um fundo que investe predominantemente em ações de empresas cotadas em países da Ásia, América Latina, África e Europa de Leste. Esta estratégia de investimento registou um retorno a três anos de 7,4% e um desvio padrão de 19,1%. Ao atentar na composição da carteira deste fundo, observámos segundo dados do site da Morningstar do final de fevereiro de 2021, que era principalmente composta por fundos de investimento de ações de mercados emergentes. O principal título em carteira era o Fidelity Emerging Markets, seguido do GS Emerging Markets Equity e do RAM (Lux) Sys Emerging Markets Equities. Sendo que, o setor com maior exposição em carteira era o setor tecnológico.

O Montepio Multi Gestão Mercados Emergentes encontra-se logo a seguir, com 6,9% de rentabilidade a três anos e 19,8% de desvio padrão. Este fundo, criado em 2006, aplica mais de 2/3 da carteira em fundos de investimento de ações de mercados emergentes, sendo que poderá ter exposição a fundos de tesouraria e de obrigações. Segundo dados do site da Morningstar, as suas três principais posições em carteira no final de fevereiro de 2021 eram em fundos de investimento, sendo que o Pictet Emerging Markets era o principal título, seguido do Fidelity Emerging Markets e do Schroder ISF Emerging Markets. Uma vez mais, o setor tecnológico era o setor com maior exposição.

Por fim, segue-se o NB Mercados Emergentes que conseguiu um retorno a três anos de 6,3% e um desvio padrão de 15,7%. De facto, este representa o fundo com melhor retorno por unidade de risco desta categoria: 0,40%. O fundo, gerido por Susana Vicente, no final de março, detinha como principais títulos em carteira o fundo Fidelity Emerging Markets, o Baillie Gifford Emerging Markets Leading Companies e o Vontobel Fund – mtx Sustainable Emerging Markets Leaders.

Mapa de retorno e risco a três anos