Os três problemas com a política verde do BCE

BCE, Os três problemas com a política verde do BCE
Créditos: Sanziana Perju / ECB

A abordagem da política monetária verde do BCE baseia-se na convicção de que as perturbações macroeconómicas e financeiras resultantes das alterações climáticas poderão afetar a transmissão da política monetária e, por conseguinte, a capacidade da autoridade monetária para atingir o seu objetivo de estabilidade dos preços.

Como explica Agnieszka Gehringer, analista do Instituto Flossbach von Storch, o canal de transmissão pode ver-se afetado pela instabilidade do sistema financeiro devido, por exemplo, à reavaliação súbita do risco financeiro relacionado com o clima. Além disso, embora o efeito prévio sobre a taxa de juro natural não seja claro, os especialistas do BCE afirmam que a “taxa de juro oficial poderá atingir o limite mais baixo efetivo com mais frequência, limitando o espaço de política monetária para a ferramenta convencional”. Por último, a incerteza decorrente dos riscos climáticos pode dificultar a avaliação adequada das perspetivas de inflação a médio prazo.

“Tendo em conta estes diversos fatores e, acima de tudo, dado o impacto potencial nas perspetivas de estabilidade dos preços, o BCE foi obrigado a ajustar a sua política monetária para uma ação climática mais intensa”, explica a especialista.

Problemas com a ecologização do BCE

Segundo a profissional, embora vários especialistas considerem que as alterações climáticas são o maior desafio do nosso tempo e que seria desejável que se fizessem esforços para as combater, o compromisso da política monetária a este respeito não é adequado. Pensa assim por três razões.

Em primeiro lugar, o BCE não tem mandato para o fazer. A disposição do artigo 127 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia (TFEU) prevê que o Eurosistema apoie as políticas económicas gerais da União, mas apenas se não houver prejuízo do objetivo de estabilidade dos preços. “No entanto, dado que os próprios especialistas do BCE identificam múltiplos canais através dos quais a política climática afetará a inflação e as expetativas de inflação, a política monetária verde pode acabar por exacerbar a consecução do objetivo de estabilidade dos preços”.

Em segundo lugar, Gehringer considera a política monetária como um fraco substituto da política fiscal. E, especialmente, da política industrial neste domínio. “Estes últimos estão muito mais bem equipados para aproveitar a ação da política climática através de instrumentos como a fixação de preços do carbono e o investimento na inovação verde. Envolver a política monetária em ações de política económica com potencial de reordenamento social e económico – que, portanto, pertencem à responsabilidade dos políticos, sujeitos ao risco de perder eleições – expõe o banco central a danos reputacionais e a uma perda de independência”.

Em terceiro lugar, a analista salienta que o estado atual de compreensão das implicações económicas das alterações climáticas continua incompleto. Isto é reconhecido pelos próprios especialistas do BCE, que afirmam que “as alterações climáticas colocam desafios aos modelos macroeconómicos utilizados pelos bancos centrais para a previsão e análise de políticas”. Mas mesmo que o fosso conceptual subjacente em relação às alterações climáticas no quadro da modelação macroeconómica fosse eventualmente encerrado, a experiência passada dos banqueiros centrais que aplicam esses modelos para fazer previsões económicas fiáveis não é particularmente encorajadora”, diz.

“Durante anos, estes modelos sobrevalorizaram a inflação, e agora subestimaram-na. Mas se os bancos centrais não conseguem prever a inflação o suficiente para cumprir o seu mandato principal, a sua ambição de modelar o impacto económico das alterações climáticas para fins políticos parece ser uma presunção de conhecimento especialmente flagrante”.

Na sua opinião, a mistura de provas históricas limitadas, horizontes de longo prazo em que as consequências económicas relevantes são suscetíveis de ocorrer, e modelos que carecem de um historial forte dão origem a muita especulação em vez de tomadas de decisão prudentes, responsáveis e credíveis.