Perguntas e respostas sobre o que implica a suspensão temporária de fundos que investem na Rússia e Europa emergente

Rússia, Perguntas e respostas sobre o que implica a suspensão temporária de fundos que investem na Rússia e Europa emergente
Créditos: Moritz Kindler (Unsplash)

As sanções que o Ocidente está a impor à Rússia pela invasão da Ucrânia estão a destabilizar o mercado russo. O rublo afundou, a Bolsa de Moscovo também. E continua encerrada. E algumas gestoras como a J.P. Morgan AM, a UBS AM, a Franklin Templeton, BlackRock, Pictet AM, a HSBC Global AM ou a Liontrust, viram-se obrigadas a suspender temporariamente os seus fundos expostos à Rússia e Europa emergente ao ser impossível calcular o valor da unidade de participação. Com este artigo pretende-se resolver algumas dúvidas que apresentam os investidores quando vivem circunstâncias tão extraordinárias como as atuais.

Porque é que as gestoras tiveram de suspender os seus fundos da Rússia e Europa emergente?

Nas circunstâncias extraordinárias atuais que vive o mercado russo, está a ser impossível para as entidades calcular o valor da unidade de participação dos fundos. Por um lado, a Bolsa de Moscovo continua encerrada e, além disso, há o problema do rublo. Por outro lado, a possibilidade de fazer câmbio do rublo está seriamente comprometida. Em consequência, para proteger os investidores existentes, muitas gestoras com fundos que investem na Rússia ou Europa de Leste (onde o peso do mercado russo ronda os 70%) suspenderam o cálculo do valor da unidade de participação para proteger os seus clientes.

Até quando vai durar esta situação?

É difícil saber. Por agora, a Bolsa de Moscovo já comunicou que permanecerá encerrada esta semana. O que se sabe é que o Banco da Rússia tem previsto injetar 10 biliões de rublos para a apoiar quando abrir. As gestoras asseguram à FundsPeople que estão a seguir de perto os acontecimentos para tomar medidas no melhor interesse dos investidores e sempre atendendo às obrigações regulatórias. O lógico é que se levantem as suspensões de cálculo do valor da unidade de participação quando as condições de mercado o permitirem. Em todo o caso, as operações de subscrição, reembolso e conversão poderão ser liquidadas de forma normal, referem várias entidades.

O que farão as gestoras caso as sanções possam restringir o investimento no mercado russo?

Aderir e cumprir as normas que forem estabelecidas. É o mais provável. Algumas entidades disseram-no: “Respeitaremos as obrigações legais e regulamentares que sejam aprovadas, incluindo as sanções”, reconhece a Pictet AM. Na mesma linha também se pronunciou a DWS. “Aplicaremos às entidades russas qualquer sanção imposta pela União Europeia, Estados Unidos e Reino Unido”, afirmam.

As sanções afetam a gestão de fundos além da Rússia e Europa emergente?

Sim. Os fundos globais e, sobretudo, os que investem em mercados emergentes costumam ter ativos russos, embora em percentagens muito baixas. Lembre-se de que o peso das ações russas nos índices de ações é de cerca de 2,2%. Nos de obrigações varia entre 3% e 5%, dependendo do tipo de índice e do tipo de emissão. O problema surge se o side pocket for feito num fundo global ou emergente, dada a possibilidade de esse produto ter uma exposição muito alta a essa região.

O problema é que os fundos com exposição à Rússia estão a avaliar os ativos russos pelo último preço disponível. E esse preço agora está quase certamente abaixo do seu valor de mercado. Os investidores que compraram o fundo, se o preço for menor, estariam a pagar mais. Pelo contrário, aqueles que estavam a sair estariam a vender a um NAV superior ao valor de mercado. Por isso, é fundamental que os investidores estejam cientes do peso que a Rússia tem nas suas carteiras de fundos.

Olhando para o futuro, e dada a situação atual, as gestoras provavelmente serão muito cautelosas em relação ao mercado russo. Nesse sentido, algumas entidades já afirmaram que não farão novos investimentos. “Em coordenação com os comités de gestão de fundos, suspenderemos a subscrição de novas participações em fundos de investimento com significativa exposição russa e geriremos a exposição russa existente em nome dos nossos clientes de acordo com a política de investimento das suas carteiras e do nosso compromisso fiduciário”, garantem na DWS.

A Rússia pode ser excluída dos índices de ações da MSCI e obrigações da J.P. Morgan?

Sim. Na verdade, é algo que já estão a estudar. Na MSCI, dizem que seria um passo natural, considerando que não faz muito sentido continuar a incluir títulos russos se os seus clientes e investidores não puderem realizar transações no seu mercado. Esta semana pode haver resolução. A empresa está a considerar lançar uma consulta aos investidores imediata e o resultado pode ser anunciado numa questão de dias. Nas obrigações, a J.P. Morgan também deve anunciar a remoção das obrigações russos das versões ESG dos seus índices de obrigações de mercados emergentes.

O que um investidor deve fazer se tiver um fundo na sua carteira que investe na região?

“Deve esperar que a gestora o informe do peso da posição e da situação. Acho que é o melhor, embora tudo dependa do peso e do tempo estimado de fecho do mercado. E, claro, ponderando o peso que esta posição naquele fundo implica em toda a carteira, que certamente será mínima se tiver a carteira suficientemente diversificada”, defende María Folqué, diretora de Sustentabilidade da FundsPeople.

O que os investidores devem fazer com a volatilidade que afeta o mercado de ações?

As mensagens mais repetidas: mantenha a calma, confiando no que aconteceu no passado. Como explica a J.P. Morgan AM, eventos geopolíticos históricos, mesmo aqueles envolvendo grandes produtores de energia, não tiveram um impacto duradouro nos mercados.

“Olhando para trás, as vendas nos mercados de ações relacionadas com eventos geopolíticos tendem a ser curtas e acentuadas, com vendas que não duram muito mais do que um mês, à medida que os mercados reagem ao evento repentino. No entanto, na maioria dos eventos geopolíticos anteriores, os mercados tenderam a recuperar o nível anterior em menos de um mês, após os investidores avaliarem que o ambiente macro não tinha mudado substancialmente. Claro: se o contexto de crescimento mudar materialmente, como aconteceu com a crise do petróleo de 1973, pode levar a uma onda maior de vendas e a um prazo maior para recuperar as perdas”, afirmam da entidade.