Que consequências para os investidores têm as mudanças no principal índice alemão

Dax, Que consequências para os investidores têm as mudanças no principal índice alemão
Créditos: Christian Wiediger (unsplash)

Foram precisos 33 anos e um escândalo como o da Wirecard, no ano passado, para a Deutsche Borse ter decidido alterar as regras de cálculo de um dos índices de referência europeus: o Dax. Esta segunda-feira, o índice abriu com 10 novos membros que elevam de 30 para 40 os componentes do Dax.

“O catalisador para a reforma remonta ao escândalo contabilístico da Wirecard, que fez vacilar a confiança dos investidores no índice. Além disso, a procura dos investidores internacionais por um índice de ações alemãs mais alargado também desempenhou um papel significativo”, afirmou Mathieu Racheter, responsável de Estratégias de Ações da Julius Baer.

Como explicam na gestora DWS, o Dax 30 cobriu até agora uma percentagem do mercado bolsista nacional inferior à média em comparação com outros índices importantes do mercado. “Com a inclusão destas 10 novas empresas, estima-se que esta percentagem aumente para pouco mais de 80%, um nível semelhante ao do S&P 500.”

Mais diversificação...

Além disso, a gestora alemã sublinha que também ganhará em diversificação setorial e, sobretudo, em representação da nova economia alemã. Uma ideia que também destacam na A&G. “A decisão foi tomada por considerações qualitativas, para deixar entrar os representantes do índice da nova economia, depois de décadas a ser representada por uma forte componente industrial (carros e produtos químicos), e financeira (bancos e seguradoras)”, afirmam.

Em concreto, as dez novas empresas que agora fazem parte do Dax são a Airbus, Zalando, HelloFresh, Porsche Holding, Symrise, Brenntag, Siemens Healthineers, Sartorius, QIAGEN e Puma.  Todas, com exceção da gigante Airbus, estão dentro do segmento de pequena e média capitalização. Um segmento que nos últimos anos ultrapassou em muito o próprio Dax na rentabilidade. De facto, como recordam na DWS, enquanto as principais ações do Dax ganharam 80% nos últimos doze meses, quatro componentes do MDax (onde até agora muitos dos novos valores do Dax foram cotados) duplicaram o seu valor no mesmo período.

...mas muito dependente do exterior

“A maioria das novas adições provém de setores defensivos como os cuidados de saúde, a Internet e os valores de crescimento relacionados com o consumo. No entanto, embora a revisão do índice DAX melhore indubitavelmente a diversificação e a estabilidade para os investidores, continuará a ser um índice relativamente cíclico após a reforma”, apontam na Julius Baer.

E o Bank of America sublinha que, apesar do aumento do peso da economia alemã no índice, esta continua muito dependente do comércio externo e, portanto, do crescimento não alemão, mas do resto do mundo. “O índice mantém o peso de setores como o dos produtos químicos (17%), industrial (17%), tecnologia (13%) e automóveis (10%). Ainda deve mais de 80% do volume de negócios dos seus membros ao seu desempenho fora das fronteiras alemãs, ao contrário da maioria dos principais índices da zona euro”, afirma.

Na gestora Flossbach von Storch afirmam que “seria desejável que, no futuro, modelos de negócio cada vez mais promissores fossem incorporados no Dax”. Apesar de alertar que “resta saber se os novos requisitos de rentabilidade impedirão, especialmente as jovens empresas com grande potencial de crescimento, que ainda não tendem a ter lucros, de acederem ao Olympus do mercado bolsista”.