Resultado da comparação do índice de obrigações corporativas de mercados emergentes com o seu homólogo ESG

ESG verde green
Créditos: Diana Serbichenko (Unsplash)

A integração dos fatores ESG (ambientais, sociais e de governance) é um termo amplo e pode ir desde uma simples seleção negativa das atividades ou produtos mais controversos até à integração completa destes critérios no processo de investimento. A J. Safra Sarasin Sustainable AM defende que a integração ESG não só não reduz a rentabilidade financeira, como também pode melhorar o retorno ajustado ao risco. Também nos mercados emergentes.

Para isso, compararam o retorno do índice de referência mais popular utilizado para as obrigações corporativas dos mercados emergentes, o índice JP Morgan CEMBI Broad Diversified, com o seu homólogo ESG, o índice JESG CEMBI Broad Diversified. O índice JESG filtra as obrigações com pior classificação ESG do seu índice subjacente e ajusta a ponderação de cada título no índice subjacente em função da sua classificação ESG.

“Embora a maioria das estratégias integradas ESG vá muito além da abordagem do índice JESG, já podemos ver uma melhoria do retorno ajustado ao risco deste índice”, destacam Rishabh Tiwari, responsável de Obrigações de Mercados Emergentes, e Walid Bellaha, gestor de carteiras na J. Safra Sarasin Sustainable AM.

Como mostra o gráfico 1, nos anos em que os retornos são positivos, a rentabilidade do índice JESG mantém-se, em linhas gerais, à frente da do índice geral. “E o mais impressionante, em anos com retornos negativos, o índice JESG supera claramente os outros”, sublinham. Como mostra o gráfico 2, as quedas do índice JESG foram menores em todos os períodos de grandes sell-offs desde a criação do índice. “Numa base anualizada, o índice JESG gerou o mesmo retorno que o índice subjacente, mas com uma volatilidade menor e um melhor rácio Sharpe”, analisam. 

Por que razão a integração de critérios ESG proporciona uma melhor proteção durante períodos de risk-off?

Tal como explicam, um número relativamente elevado de emitentes dos mercados emergentes não estão muito bem cobertos devido à sua localização, dimensão ou propriedade privada. “Os fatores ESG constituem uma importante fonte adicional de informação para esses emitentes. Em várias ocasiões, as obrigações sofreram grandes perdas devido a escândalos de corrupção ou à má gestão de questões sociais por parte das empresas emitentes. Uma análise exaustiva do governance e das políticas sociais é, por vezes, tão importante como analisar a alavancagem de uma empresa”.

De uma perspetiva top-down, os investidores começaram a prestar especial atenção à forma como as empresas estão expostas aos riscos relacionados com o clima e a gestão desses riscos pode ter um impacto significativo no perfil de crédito.

Por outro lado, a integração de considerações de sustentabilidade no processo de investimento permite conhecer melhor a capacidade das empresas para superar os desafios colocados pelos riscos ambientais, sociais e de governance. “Por exemplo, a análise das características ESG pode permitir aos investidores detetar más práticas de governance ou políticas sociais, antes da eclosão de um escândalo ou dar uma indicação precoce de possíveis ameaças de processos. Do mesmo modo, do ponto de vista ambiental, a capacidade de uma empresa para mitigar os riscos climáticos pode ter um impacto real nos seus custos de endividamento”.

Um estudo realizado pela sua equipa de obrigações high yield revelou que, nos Estados Unidos, os líderes em ESG entraram em incumprimento com menos frequência do que os atrasados em ESG. “A integração dos fatores ESG na análise dos investimentos pode ajudar a identificar alguns dos emitentes mais vulneráveis que podem ter um maior impacto durante os períodos de menor risco, proporcionando assim uma melhor proteção global contra as quedas. Além disso, ajuda a selecionar empresas mais viáveis e com perspetivas de crescimento mais sustentáveis”, concluem.