Três recomendações da EFAMA para melhorar a participação do investidor de retalho no mercado

EFAMA, Três recomendações da EFAMA para melhorar a participação do investidor de retalho no mercado
Créditos: Aaron Burden (Unsplash)

Como aumentar a participação do investidor de retalho nos mercados? É uma das questões que se colocam à Comissão Europeia para o próximo ano. O organismo europeu lançou, em maio passado, uma consulta pública para recolher ideias. O objetivo: propor uma estratégia de investimento retail na Europa no primeiro semestre de 2022.  

Para a Associação Europeia de Fundos e Gestoras (EFAMA) é um passo positivo. Uma medida necessária para dar aos cidadãos europeus as ferramentas e a confiança necessárias para pôr a trabalhar as suas poupanças nos mercados de capitais. Uma análise recente da associação europeia revelou a perda do poder de compra do investidor retail ao manter-se fora do mercado.

Na opinião da EFAMA, os pontos levantados pela CE são positivos, mas concentram-se demasiado nas melhorias técnicas dos regulamentos existentes. “Para já, a consulta não delineia uma estratégia abrangente para aumentar a participação dos investidores de retalho nos mercados de capitais”, lamentam.

Pelo contrário, consideram mais útil concentrarmo-nos no acesso à assessoria financeira.  “É essencial garantir que os clientes retail invistam em instrumentos financeiros que se adequam às suas necessidades e preferências individuais”, defendem. “A proibição de incentivos prevista no documento de consulta dificultaria o acesso dos cidadãos menos abastados ao tão necessário aconselhamento financeiro, contrariando assim o objetivo da CMU de aumentar a participação do retalho nos mercados de capitais.”

Como melhorar a participação dos investidores de retalho no mercado

Na opinião da agência, uma estratégia bem-sucedida de investimento retail deve integrar as seguintes recomendações:

  1. Educação precoce dos cidadãos da UE. O objetivo é aumentar a sua literacia financeira. Promove também uma melhor compreensão dos mercados de capitais.  “Uma maior literacia garantirá que os investidores de retalho compreendam mais facilmente os conceitos básicos do que atualmente”, afirma a EFAMA. E defendem que a CE deve desempenhar um papel de coordenação e reunir as melhores práticas existentes dos estados-membros.
  2. Alinhar as divulgações financeiras em vários regimes. Isto é, proporcionar informações significativas, em vez de contraditórias. Na sua visão, as divulgações digitais podem proporcionar uma experiência mais personalizada. Além disso, permitem que sejam tomadas decisões de investimento bem informadas, evitando ao mesmo tempo informações em excesso. Além disso, veem a necessidade de melhorar as atuais divulgações relacionadas com o ESG para proporcionar clareza e simplicidade aos investidores de retalho.
  3. Um PRIIP KID que se foca em informações relevantes para cada tipo de produto de investimento. Para a EFAMA, cada tipo de produto de investimento fornece uma proposta de valor diferente. Portanto, são necessárias diferentes divulgações. Os problemas fundamentais do PRIIP KID decorrem dos seus objetivos contraditórios. Concretamente, fornecer ao mesmo tempo informações claras, justas e não enganosas e também comparabilidade entre tipos muito diferentes de produtos de investimento. Como argumentam, uma perda de comparabilidade teórica será mais do que compensada por melhores explicações dos fundamentos para cada tipo de produto de investimento e informação mais significativa.