Valor médio por participante é superior nos fundos estrangeiros face aos fundos nacionais

mapa_mundo
louis-hansel-shotsoflouis-SCc9AndIwJ4-unsplash

Como aconteceu na generalidade dos segmentos da gestão de ativos nacional o montante de fundos de investimento estrangeiros comercializados em Portugal recuou em 2022. São dados divulgados anteriormente, mas que são reforçados no Relatório Sobre o Mercado de Valores Mobiliários de 2022 divulgado pela CMVM, onde se pode ver também a evolução a longo prazo e outras estatísticas de relevo.

Como se pode ler no relatório, "os montantes líquidos colocados pelos 162 (mais 3 do que em 2021) OICVM estrangeiros totalizaram 6,1 mil milhões de euros (-19,4% face a 2021)". O número de participantes recuou, para os 346,37 mil em 2022, mas não recuava desde 2016. Contudo, apesar desta quebra, a tendência de longo prazo é de um crescimento acentuado, tanto do volume distribuído como do número de participantes nos fundos considerados.

O valor das subscrições líquidas foi negativo, atingindo os -463 milhões de euros, o que também não acontecia desde 2012. Por sua vez, o valor médio investido por participante ascendeu a 17,6 mil euros no final de 2022, "traduzindo uma queda relevante face a 2021", segundo a CMVM. "Este valor médio por participante continua a ser superior ao verificado nos OICVM nacionais, sugerindo a existência de uma procura diferenciada dirigida aos dois segmentos", comenta o regulador.

Valor colocado, número de participantes e subscrições líquidas de OICVM estrangeiros