Vincent Denoiseux (Lyxor AM): “É preciso estar atento ao nível de dados e infraestruturas por detrás da construção de um simples ETF”

ETF, Vincent Denoiseux (Lyxor AM): “É preciso estar atento ao nível de dados e infraestruturas por detrás da construção de um simples ETF”
Vincent Denoiseux. Créditos: Cedida (Lyxor AM)

Ano histórico para os ETF. Até ao fim de 2021 entraram no mercado europeu 140 mil milhões de euros, segundo dados da Lyxor International AM. Um recorde que bate os 100.000 milhões que captaram num já histórico 2019. Não é uma tendência europeia, mas global. Assim, a indústria global de ETF já quebrou a barreira dos 10 biliões de euros em património.  E é um capital que flui principalmente para ações num sinal de forte apetite pelo risco, explica Vincent Denoiseux, responsável de Análise e Soluções da Lyxor International AM.

E num exercício tão bom, quem mais brilha é o ESG. Um em cada dois euros que entrou nos ETF entrou num produto ligado ao investimento ESG.  É uma tónica que se repete depois de 2020. Principalmente, para os ETF ESG mais amplos. Mas também há interesse em produtos com apostas mais específicas, como as que estão alinhadas com o Acordo de Paris ou com objetivos de baixas emissões de carbono, ou temáticas ligadas à sustentabilidade. “Este ano tem sido dramático para o ISR. A mudança psicológica do investidor tem sido notória”, afirma Denoiseux.

É verdade que os fundos indexados ESG têm mais caminho a percorrer.  Ao fim e ao cabo, representam apenas 204.000 milhões dos 1,2 biliões que vale o mercado europeu de ETF. Mas também vale referir que a sua taxa de crescimento é maior.  Se o mercado global de ETF está a crescer a 10% (CAGR), os ETF ESG estão a crescer a 25%.

Quase não há temáticos em obrigações

Nas obrigações, tal como nas ações, a oferta ESG está a crescer. É um mercado que está a crescer rapidamente, comenta o especialista. No entanto, a onda de temáticos não parece ter atingido as obrigações. Por exemplo, a Lyxor foi bem-sucedida com o seu Lyxor MSCI Water ESG Filtered UCITS ETF, mas não existe um Water ESG Fixed Income ETF.  Porquê? Trata-se de uma questão estrutural. Nas obrigações, o número e o alcance dos emissores é menor, bem como a liquidez é limitada para manter um foco temático.

O potencial de retorno também influencia. “No final de contas, a rentabilidade/risco continua a ser o mais importante para as carteiras dos investidores. Agora a sustentabilidade é adicionada a esse binómio, mas o retorno ainda é primordial”, expõe Denoiseux. O problema das obrigações é que essa margem de potencial para vencer o índice não existe ou é escassa. Ou seja, quanto retorno adicional pode ter um ETF de obrigações temático face a um ETF tradicional?  

Dadas as valuations atuais, a capacidade de gerar retornos adicionais é limitada. Por outro lado, nas ações, devido à sua natureza mais volátil, a margem para o superar os índices é maior. “Apostar e obter uma temática de ações pode ser uma diferença de dois dígitos no retorno de uma carteira. Nas obrigações, falaríamos de pontos de base. No final de contas, escolher uma temática ainda é correr um maior risco por uma convicção. E para correr mais riscos, o investidor espera um maior potencial de retorno”, explica.

Um prémio justificado pelo ESG

E na opinião deste especialista, ainda há um caminho a percorrer. “Não acredito em absoluto que o ESG seja uma moda. Na verdade, considero mais provável que dentro de cinco anos a maioria dos ETF tenha alguma camada ESG integrada”, prevê. E é a sensação que as reuniões com clientes lhe transmitem. “As conversas evoluíram. Agora tenho investidores que até estão a construir carteiras 100% Artigo 8º e outros a perguntarem-nos o que podemos oferecer-lhes que seja artigo 9.º”, sentencia.

Mas a ascensão dos produtos ESG também veio de mãos dadas com um debate sobre os custos. Principalmente sobre o preço a pagar e as diferenças (por vezes escassas) entre os índices ESG e os tradicionais que replicam. Perante isto, Denoiseux tem uma posição clara: “os ETF ESG trazem muito valor acrescentado. Por isso, o limitado TER adicional parece-me um prémio justo”.

No final, o resultado que chega ao investidor é um produto simples como um ETF ligado a um índice. Mas raramente vê o que está por trás da criação de um veículo de investimento. Na opinião da Denoiseux, temos de estar conscientes do nível de dados e infraestruturas subjacentes à construção de um simples ETF.   “Há uma enorme quantidade de dados. E apenas alguns fornecedores de índices têm o músculo para gerir toda a cadeia de produção, gerir os níveis de risco, etc. A mais-valia de uma ETF é enorme”, insiste.

E essa é uma máxima que pode ser aplicada a toda a indústria de gestão de ativos e ao debate sobre a guerra das comissões. “Os dados são o motor desta indústria.  Os gestores têm de saber aceder aos dados, aos melhores e ao melhor preço”, afirma o especialista.