A influência do aumento dos divórcios no mercado imobiliário

imobiliário, A influência do aumento dos divórcios no mercado imobiliário
Créditos: Jackson Simmer (Unsplash)

Uma das consequências da pandemia tem sido o aumento dos divórcios e das separações.  De acordo com um inquérito da IFOP para a YesWebloom.com, mais de um em cada quatro casais em França admite ter sentido vontade de terminar um relacionamento durante os sucessivos confinamentos e/ou recolher obrigatório imposto desde março de 2020. Em abril de 2020, o interesse no divórcio já tinha aumentado 34%. E, no final de 2020, tinha subido mais 10 a 25%, dependendo do país.

É triste que, na opinião de John Plassard, especialista em investimentos na Mirabaud, terá um claro impacto nos padrões habitacionais, que já estavam em processo de transformação. Afinal, pelo menos um dos dois terá que procurar um novo alojamento.

Impacto dos divórcios na economia

Comecemos pelo início: quem se vai divorciar? Embora seja difícil generalizar, pode dizer-se que o número de divórcios aumentou drasticamente. Dois dos principais grupos demográficos foram identificados como os mais vulneráveis:

  1. Recém-casados. Nos EUA, casais mais novos são os mais propensos a pedir o divórcio durante a pandemia. O número de casais casados durante apenas cinco meses ou menos aumentou de 11% em 2019 para 20% em 2020.
  2. Baby boomers. Muitas vezes chamado de divórcio cinzento, corresponde a separações tardias.

Em ambos os casos, o divórcio é geralmente acompanhado por uma divisão de propriedade, e o imobiliário é suscetível de ser afetado.

“Uma elevada taxa de divórcio pode arrastar toda a economia de uma nação”, afirma Plassard. Mas quando se trata de imóveis, pode levar a um aumento da procura de habitação.  O aumento do número total de agregados familiares tem impacto tanto no emprego como no mercado imobiliário. 

O que o imobiliário ganha com algumas crises

Mas um perfil imobiliário específico é procurado. A combinação de divórcio cinzento e venda de casas induzidas pelo coronavírus levou pais divorciados e idosos a procurar casas mais pequenas e baratas.

  1. Influência nas vendas. As vendas de apartamentos aumentaram consideravelmente e a procura continua a crescer. As unidades multifamiliares mais pequenas, como duplexes e moradias em banda, estão ainda mais procuradas, uma vez que o inventário é baixo. A procura de casas mais pequenas também está a aumentar graças aos divórcios cinzentos que procuram mudar-se para casas mais pequenas e mais acessíveis. Adicione a isto todos os pais solteiros que procuram segundas casas, as pequenas casas podem ser vendidas rapidamente, enquanto casas maiores permanecem no mercado por mais tempo.
  2. Efeito sobre o arrendamento. Embora os arrendamentos de curto prazo (como o AirBnB) tenham sido uma tendência imobiliária explosiva que se soma à já crítica escassez de arrendamentos residenciais nas grandes cidades, muitas destas propriedades de investimento regressaram ao mercado de arrendamento de longo prazo na área dos subúrbios em torno das grandes cidades. 
  3. Desenvolvimento habitacional. Plassard vê habitações de desenvolvimento de unidades planeadas (PUD) suscetíveis de experimentar o crescimento no mercado imobiliário, uma vez que os divórcios cinzentos levam os baby boomers a procurar o conforto e a vida sem stress que estes projetos oferecem. “Menos complicadas do que a propriedade doméstica, mas ainda longe de uma situação de vida assistida, estas unidades podem fornecer uma ponte confortável para idosos que ainda são independentes, mas querem viver mais confortavelmente e não têm que se preocupar com a manutenção”, explica.