Como evoluiu a oferta de fundos portugueses com artigo 8º e 9º no primeiro ano de vigência da MiFID Verde?

ESG sustentável natureza
Créditos: Peter Vanosdall (Unsplash)

O próximo dia 2 de agosto assinala um ano desde a entrada em vigor da chamada MiFID Verde. Esta atualização da MiFID II exige às instituições que averiguem junto dos seus clientes o interesse que estes têm em investimento sustentável. Este primeiro ano tem sido, essencialmente, marcado por algumas reclassificações nos artigos da SFDR que se verificaram em vários produtos na Europa, bem como pelas queixas do setor relativamente à complexidade das perguntas a fazer aos clientes sobre as suas preferências em matéria de sustentabilidade. Já na altura da aplicação do novo regulamento, surgiram dúvidas relativamente à forma como os clientes iriam expressar essas preferências ou em que medida estas estariam em conformidade com a definição regulamentar. Ainda assim, era esperado “um impacto direto na criação de produtos, uma vez que as alterações à MiFID dão preferência à sustentabilidade”, como referido em julho de 2022, num artigo da FundsPeople.

Embora os fundos de artigo 8º da SFDR não sejam todos fundos adequados para satisfazer preferências de sustentabilidade em contexto de MiFID II, não deixa de ser um ponto de partida na seleção dos veículos de investimento. Fará, portanto, sentido olhar para o atual panorama e perceber de que forma o regulamento em vigor impactou a classificação de fundos no mercado português.

No final de 2022, a FundsPeople fez esta mesma análise para o universo de fundos mobiliários portugueses e de gestão portuguesa. Dos 182 fundos analisados, existiam 59 fundos artigo 8º e 6 classificados como artigo 9º. Mostramos agora os resultados à data mais recente disponível.

Classificação SFDR dos fundos portugueses por entidade gestora

Entidade GestoraTotal de fundosArtigo 8VariaçãoArtigo 9Variação
IM Gestão Ativos 2926+4--
Caixa Gestão de Ativos 2721+2--
Santander Asset Management 2014+4--1
BPI Gestão de Ativos 317-5-
GNB Gestão de Ativos181---
Optimize Investment Partners15----
Montepio Gestão de Activos13----
Bankinter Gestión de Ativos 8----
CaixaBank AM (BPI GA)8----
FundPartnerSolutions (Atrium Investimentos7----
Invest Gestão de Ativos 5----
Adepa AM (Heed Capital)4----
Sixty Degrees3----
BIZ Capital 3----
MultiConcept Fund Management
(Haitong Bank)
2----
Lynx Asset Managers 1----
Casa de Investimentos 1----
DMS Investment Management 1----
Nevastar Finance (EuroBIC)1----
Total19669+105-1

Fonte: Morningstar Direct, dados a 28 de julho de 2023. Entre parêntesis, a entidade advisor do fundo ou, no caso do EuroBic, a entidade distribuidora.

Segundo os últimos dados da Morningstar Direct, desde dezembro do ano passado, foram classificados mais dez fundos, todos, artigo 8º. Atualmente, há 74 fundos com classificação SFDR, correspondendo a quase 38% dos fundos analisados e o que, comparativamente a dezembro de 2022, representa uma subida que ronda os 2%.

No topo da tabela, com o maior número de fundos classificados, está a IM Gestão de Ativos com 26 fundos artigo 8º, seguido da Caixa Gestão de Ativos com 21. Ainda assim, a BPI Gestão de Ativos é a única com fundos artigo 9º. Os cinco fundos BPI Impacto Clima mantêm-se na tabela desde a última análise, totalizando 5 fundos no universo de fundos artigo 9º, menos 1 do que no final do ano passado. 

Este aumento do número de fundos artigo 8º acontece só em entidades gestoras com fundos já classificados, não havendo por isso, novas entradas. Tanto a IM Gestão de Ativos como a Santander Asset Management têm mais 4 fundos no total e a Caixa Gestão de Ativos, 2. A BPI Gestão de Ativos e a GNB Gestão de Ativos mantêm o número de fundos artigo 8º, com 7 e 1, respetivamente.