Gás e energia nuclear entram na Taxonomia: a opinião das gestoras

nuclear, Gás e energia nuclear entram na Taxonomia: a opinião das gestoras
Créditos: Nicolas-hippert (unsplash)

Gás e energia nuclear são energias verdes.  A recente decisão da Comissão Europeia de os incluir na taxonomia da UE continua a causar agitação no setor da gestão de ativos (e não só). Embora se refira apenas a atividades relacionadas com as duas fontes de energia em consonância com os objetivos climáticos e ambientais da União, a proposta de Bruxelas, que antes de entrar em vigor a partir de 1 de janeiro de 2023 terá de ser analisada pelo Parlamento e pelo Conselho Europeu, está a provocar um debate intenso.

Com efeito, ao descrevê-las como sustentáveis, a Comissão obriga-as a entrar no domínio dos investimentos para a transição energética do Velho Continente. “Esta é uma mudança considerável, se tivermos em conta que há precisamente dois anos, a 15 de janeiro de 2020, o Parlamento Europeu aprovou o Acordo Verde com uma larga maioria, marcando as duas fontes controversas como insustentáveis”, observa Massimiliano Comità, gestor da AISM Luxembourg.

A crise energética

Mas as coisas mudaram desde então. A recuperação da economia global após a crise da COVID-19 fez disparar os preços da energia. E, até à data, fontes renováveis, como a eólica e a solar, por si só, não conseguem satisfazer as necessidades energéticas dos países. Especialmente se estes últimos forem obrigados a reduzir a utilização de combustíveis fósseis para atingir os objetivos de emissões líquidas zero. E é precisamente neste contexto que a União abre as portas ao gás e à energia nuclear. “A Europa tem uma necessidade urgente: energia. E na antecipação de um recomeço, esta necessidade torna-se cada vez mais urgente”, explica Comità.

Além disso, de acordo com os planos de transição energética, a UE pretende reduzir os gases de efeito de estufa em pelo menos 55% até 2030 e alcançar a neutralidade carbónica até 2050. O gás e a energia nuclear tornam-se assim bons candidatos para substituir os combustíveis fósseis. “A energia nuclear produz o mesmo nível de gases de efeito de estufa do que a energia eólica e apenas 25% da energia solar ao longo de todo o seu ciclo de vida, incluindo a mineração de urânio, o transporte, etc.”, diz Yun Bai, diretor da Fator Investing Research da Vontobel. “Portanto, poderá tornar a descarbonização muito mais fácil”, acrescenta.

É ou não é uma opção viável?

Além disso, de acordo com a análise do especialista da Vontobel, a energia nuclear evoluiu muito nos últimos anos, tornando-se mais segura. Embora reconheça que as empresas estão desencorajadas por acidentes nucleares passados, receiam frequentemente o risco de fuga de radiação dos aterros nucleares, segundo Yun Bai, a atual tecnologia de gestão de resíduos é bastante madura, com um risco extremamente baixo de acidentes.

Por seu lado, a Comità convida-nos a refletir sobre a alternativa oferecida pelo gás e pela energia nuclear, tendo em conta a temporalidade do processo de transição energética da UE. “Vamos tentar fazer as contas. São necessários sete anos para construir uma central nuclear e a vida média de um reator de terceira geração é estimada em 60-100 anos. Pode tal projeto ser considerado transitório, quando a meta líquida de emissões zero é definida para 2050?”, questiona o gestor. “A verdade é que o dinheiro investido hoje em gás e energia nuclear é menos dinheiro do que numa energia mais verde”, afirma.

Posições opostas

A decisão da Comissão desencadeou um litígio entre os estados-membros, divididos entre a favor, principalmente França, e contra, liderados pela Alemanha. E mesmo dentro do setor da gestão de ativos há posições divergentes. “É difícil garantir que não haverá outros resultados ESG negativos da energia nuclear neste momento”, diz Isobel Edward, analista de Investimentos em Green Bonds da NN IP.

Enquanto para Yun Bai, os últimos desenvolvimentos tecnológicos podem permitir que a energia nuclear seja ainda mais importante e até mesmo um mainstream de energia no futuro. “As plantas mais pequenas, com custos mais baixos e tempos de construção mais curtos do que os tradicionais, reduzem a intensidade de capital. A utilização de resíduos para a produção de energia é eficiente nos processos de eliminação; a tecnologia para melhorar a flexibilidade do programa operacional das centrais permite um planeamento ideal do fornecimento de energia”, afirma o especialista da Vontobel.

Impacto na taxonomia

No que se refere ao gás natural, na NN IP também não consideram que não deve ser considerado como uma atividade verde. “O metano, o principal componente do gás natural, é 28 vezes mais poderoso do que o dióxido de carbono na captura de calor na atmosfera. Há muitas perguntas sem resposta sobre a taxa de perda de metano ao longo da cadeia de fornecimento de gás natural”, explica Edward.

Na Candriam chamam à atenção para o facto de a inclusão do gás e da energia nuclear poderem prejudicar a credibilidade da estrutura fornecida pela taxonomia como base da agenda financeira europeia sustentável. “Deveria ter dado às empresas, aos investidores e aos governos uma definição comum do que significa sustentabilidade. Começando pelo clima, que é provavelmente o mais simples das questões de sustentabilidade que a taxonomia pretende cobrir”, diz a analista sénior de ESG, Alix Chosson. “A inclusão da energia nuclear vai acrescentar mais complexidade. O risco é criar confusão e não consenso e clareza”, acrescenta.

De acordo com a NN IP, o facto de uma fonte de energia estar incluída na Taxonomia não significa necessariamente que deva ser incluída em estratégias de investimento sustentáveis. “Para a nossa estratégia de green bonds, as notícias sobre taxonomia não mudam muito”, diz Edward. “Neste momento, a taxonomia só fornece orientação útil e boas práticas em cada setor. Os fundos relevantes devem clarificar o seu alinhamento com a Taxonomia da UE a partir de 2023”, conclui.