Implicações para as carteiras da subida das taxas de juro nos EUA

taxas de juro, Implicações para as carteiras da subida das taxas de juro nos EUA
Créditos: Aditya Vyas (Unsplash)

É oficial. A política monetária nos Estados Unidos inicia o seu caminho de normalização. Neste artigo analisamos as implicações económicas da mais recente reunião da Fed. Embora a Reserva Federal continue otimista, as gestoras internacionais começam a avaliar uma possível recessão. E isso tem impacto nas carteiras.

“Embora os mercados tenham aceitado os ciclos de aumento das taxas, desta vez pode ser diferente, já que a Fed parece ser mais agressiva do que inicialmente se esperava. Os investidores devem procurar ativamente oportunidades de retorno relativo”, aconselham Gregor Hirt, diretor de Investimentos de Multiativos global, e Martin Hochstein, economista sénior da Allianz Global Investors.

Na verdade, já estamos a ver isso na resposta do mercado. Nicolas Forest, diretor global de Fixed Income da Candriam, entende perfeitamente porque é que a curva dos EUA se achatou. A curva de yields de 2 a 30 anos atingiu o seu nível mais baixo desde a crise de 2019. “A barriga da curva de yield do Tesouro dos EUA, ou a parte entre os prazos de 2 a 10 anos, passou a negociar 25 pontos base acima do que há uma semana, o que indica que os mercados agora esperam inflação por mais tempo”, interpreta Morgane Delledonne, head of Investment Strategy for Europe da Global X.

Um conselho: cuidado com as obrigações

Na opinião de Jason England e Daniel Siluk, gestores da Janus Henderson, a mudança forçada na postura da Fed significa que o período de máxima incerteza política terá sido estendido, provavelmente. A Fed fará o possível para proceder com cautela, mas essa mesma cautela pode levar a ainda mais volatilidade nas yields de longo prazo, à medida que o risco de inflação acima da tendência se instala na mente dos investidores.

Assim, os gestores da Janus Henderson acreditam que os investidores devem tratar a exposição à taxa de juro, ou duraçãocom cautelaOs títulos de prazo mais longo, na sua opinião, parecem mais vulneráveis ​​à alta volatilidade. E dada a relativa planicidade da curva de yields, o retorno incremental de manter vencimentos mais longos pode não valer o aumento de risco. A incerteza geopolítica que emana dos eventos na Ucrânia reforça ainda mais a sua posição de que agora não é hora de assumir qualquer risco indevido na alocação a obrigações.

Hirt e Hichstein concordam em ser cautelosos com esta classe de ativos. “O mercado de obrigações permanecerá sob pressão, considerando que exibe alguns prémios de risco pouco atrativos, juntamente com saídas que indicam que os investidores estão a começar a questionar as suas características de diversificação”, preveem. O crédito, no entanto, pode ser o lugar para procurar ideias. Na sua opinião, o segmento high yield dos EUA pode ser a área mais promissora. Os spreads de yield em relação aos títulos de governo tornaram-se atrativos, especialmente se se espera apenas inflação lenta e não estagflação nos Estados Unidos. No entanto, esta tese de investimento precisará de uma redução na volatilidade para que os fluxos retornem. E não é algo que a equipa da AGI espera tão cedo.

Em ações, o value brilha

A política monetária também tem implicações no mercado de ações, assim como nas subidas de preços. “A inflação por si só nunca é boa para o mercado de ações, pois reduz o valor dos fluxos de caixa futuros das empresas. No entanto, algumas empresas devem beneficiar deste ambiente”, afirma Gilles Seurat, gestor de multiativos da La Française AM. Especificamente, menciona os produtores de matérias-primas, que beneficiam diretamente do aumento dos preços. Têm uma postura positiva sobre estes valores há algum tempo e mantêm as suas posições. Em vez disso, outros setores podem ser afetados, como os serviços públicos.