Mapa de retorno e risco: o comportamento dos fundos de ações globais de grande capitalização

mapa de retorno e risco, Mapa de retorno e risco: o comportamento dos fundos de ações globais de grande capitalização
Créditos: Riho Kroll (Unslpash)

Depois de observado o comportamento dos fundos nacionais de ações de mercados emergentes, dos fundos de ações de grandes capitalizações europeias e das estratégias de agressive allocation, chega a vez de olharmos para os fundos de gestão nacional de ações globais de grande capitalização.

O segmento acionista parece continuar a ser visto como a classe de ativos favorita de grande parte dos investidores. No entanto, também parecem existir diferentes opiniões relativamente a que regiões são as mais atrativas. Assim sendo, olhemos para a relação retorno-risco apresentada pelos fundos nacionais que investem em ações globais de grande capitalização. Que comportamento registaram estes produtos num horizonte temporal de três anos?

A três anos, segundo os dados da Morningstar Direct, podemos constatar um universo de seis fundos nacionais nesta categoria. Dois fundos da BPI Gestão de Ativos: o BPI Ações Mundiais e o BPI GIF Opportunities. Dois fundos da GNB Gestão de Ativos: o NB Momentum, domiciliado no Luxemburgo, e o NB Momentum Sustentável, domiciliado em solo nacional. E, por fim, ainda um produto da Caixa Gestão de Ativos - o Caixa Ações Líderes Globais - e outro da IM Gestão de Ativos – o IMGA Global Equities Selection.

O comportamento apresentado pelas seis estratégias de investimento parece ser bastante semelhante, principalmente ao nível dos valores do desvio-padrão. De facto, o intervalo de valores de desvio-padrão desta categoria de produtos é muito pequeno, variando apenas entre 14,7% e 15,8%. Já ao nível do retorno o intervalo varia entre 10,7% e 17,1%.

Os três produtos destacados

Apesar desse semelhante comportamento, há um produto que se destaca, tanto em termos de retorno como em termos de desvio padrão. Falamos da estratégia de investimento que conseguiu o maior retorno a três anos - o Caixa Ações Líderes Globais - conseguindo um retorno de 17,1%. Se atentarmos no valor de risco deste produto, verificamos também que é o produto desta categoria que alcança melhor retorno por unidade de risco: 1,16%. De relembrar que este produto ostenta Selo FundsPeople 2021 pela dupla classificação de Blockbuster e Consistente.

No final de fevereiro de 2021 e segundo os dados do site da Morningstar, os três títulos com mais peso na carteira do Caixa Ações Líderes Globais eram ações da Exxon Mobil, Intel e Alphabet.

Ao nível do retorno segue-se o BPI GIF Opportunities, um fundo gerido por Rui Araújo, CFA, que alcançou uma rentabilidade a três anos de 14,8%. No entanto, este é seguido do perto pelo BPI Ações Mundiais, que também alcançou um retorno anualizado a três anos superior a 14%, nomeadamente 14,1%.

MAPA DE RETORNO E RISCO A TRÊS ANOS

mapa de retorno e risco, Mapa de retorno e risco: o comportamento dos fundos de ações globais de grande capitalização