As gestoras de patrimónios na reta final do ano passado

reta final percurso
Photo by Jakub Gorajek on Unsplash

Foi movimentado o ano de 2020 para o segmento de gestão de patrimónios em solo nacional. Embora os dados mais recentes da APFIPP sejam apenas referentes a novembro de 2020, permitem já construir uma fotografia deste segmento.

Apesar de no 11º mês de 2020 a gestão de patrimónios ter conseguido crescer ligeiramente face a outubro (0,7%), o panorama desde o início do ano tem sido de decréscimo, com uma redução do montante gerido próxima de 25%. O segmento terminou novembro nos 42,38 mil milhões de euros de ativos geridos.

BMO Portugal com maior quota

2020 foi o ano em que a BMO Portugal subiu ao topo do ranking das maiores gestoras de patrimónios. 2020 ficou marcado, claro, pelo impacto que a COVID-19 teve nos mercados e, consequentemente, na repercussão dos ativos geridos em áreas como a que analisamos; mas neste caso outros fatores influenciaram a sua evolução. Como lhe reportámos em maio, a Caixa Gestão de Ativos verificou o “levantamento parcial de um cliente institucional de grande dimensão”. Na prática, segundo a entidade gestora, verificou-se uma reclassificação da tipologia de serviço de gestão/aconselhamento de carteiras, de forma que esses valores deixam de estar refletidos nas estatísticas.  


Desta forma, a quota de mercado da BMO Portugal incrementou-se na altura, e em novembro era de 34,3%, o correspondente a 14.552,7 milhões de euros. A quota da entidade cresceu face a dezembro de 2019, mas a evolução no ano trouxe-lhe um decréscimo nos montantes geridos de 5,2%.

Portanto, a Caixa Gestão de Ativos, em segundo lugar no ranking, terminou novembro de 2020 com 9.764,9 milhões de euros e uma quota de 23%.

Gestoras de patrimónios em novembro de 2020

gestoras de patrimómios 2020
Fonte: APFIPP, novembro de 2020

Desta forma, no ano de 2020 são duas as entidades que se destacam em termos de crescimento. Por um lado, em termos percentuais, a Dunas Capital dá nas vistas. Registava até novembro um crescimento de 46,7% nos seus ativos – o correspondente a 7,3 milhões de euros. Em termos absolutos, por sua vez, a BPI Gestão de Ativos é quem se evidencia. Conquistou no ano 192 milhões de euros de ativos, o que reflete um crescimento percentual de 6%.