O que tem o ex-rei das obrigações no seu portefólio: gasodutos

bill gross, O que tem o ex-rei das obrigações no seu portefólio: gasodutos
Bill Gross. Créditos: Cedida

O mercado de obrigações pode já ter assistido ao seu melhor momento e agora é um alvo potencial para futuras quedas no preço. É o alerta enviado por Bill Gross, o ex-rei das obrigações, no seu mais recente Investment Outlook. O fundador da PIMCO e ex-gestor da Janus Henderson argumenta que os mercados de obrigações provavelmente viram os seus mínimos históricos de longo prazo. Mas, ao mesmo tempo, envia outra mensagem: quem esperar um bear market equivalente ao bull market dos últimos 30 anos estará a exagerar.

Bill Gross prevê que o Tesouro dos EUA a 10 anos, agora em 1,60%, chegue a 2% nos próximos 12 meses. "Esta é uma tendência de queda para o preço e provavelmente fornecerá um sinal negativo aos retornos totais de 2022 para os detentores de obrigações", reconhece. Mas também avisa: não é um desastre.

É que quando defendeu que as obrigações são lixo, estava a referir-se mais ao seu valor relativo em comparação com as alternativas. Por exemplo, ele cita a NUAN (uma aquisição da Microsoft que vê probabilidade de dar 8% de retorno anualizado antes do final do ano) ou a XLRN (uma aquisição da Merck que acredita que provavelmente fará o mesmo).

Os dias de vinho e rosas das obrigações podem ter acabado,” insiste, “mas as recomendações anteriores sobre alcachofras e abacates podem funcionar bem enquanto os investidores aguardam as incertezas relacionadas ao orçamento dos EUA, ao crescimento do PIB na China e ao aumento dos preços da energia à medida que nos aproximamos do inverno no Hemisfério Norte”, propõe.

O que está no portefólio de Bill Gross: gás natural

E o que tem então o rei das obrigações na sua carteira? Segundo relata na carta, o seu portefólio também está bem equipado com partnerships de gasodutos de gás natural (natural gas pipeline partnerships). São instrumentos financeiros cotados na Bolsa de Valores de Nova York. Oferecem pagamentos de impostos diferidos sobre dividendos que rendem entre 7% e 10% a preços de mercado atuais. “Os investidores individuais não gostam destas empresas devido aos complicados requisitos de declaração de impostos de abril. E a maioria dos mutual funds e instituições não os compra porque são tecnicamente sociedades e não ações”, explica Gross.

Portanto, faltam os juros do capital, mas é por isso que dão uma yield com impostos diferidos de 7 a 10%. Claro, também, são sensíveis aos preços do petróleo, por isso há que ter cuidado, alerta. "Mas as perspetivas para o petróleo a 70-80 dólares são boas e 7-10% provavelmente será um retorno bastante decente mesmo que as taxas de juros subam um pouco para 2%", argumenta. Para os investidores dispostos a dar o passo, um ETF de gasodutos de tamanho substancial, que rende 7,2% e é tecnicamente uma ação, não uma partnership, poderia atender às necessidades dos portefólios, como propõe. O seu símbolo é AMLP. Mas alerta: “Não há garantias aqui, os preços vão oscilar como dizem”.