Aposta nas ações americanas: a maior sobreponderação em ações dos EUA desde 2013

EUA, Aposta nas ações americanas: a maior sobreponderação em ações dos EUA desde 2013
Créditos: Aditya Vyas (Unsplash)

Ainda há gasolina no depósito das ações. O Fund Manager Survey da BofA em outubro foi notavelmente pessimista, mas as coisas mudaram em novembro. De acordo com o último inquérito, os gestores estão a usar as suas reservas de liquidez para se reforçarem em ativos de risco. Ou seja, 2021 terminará em modo risk-on.  E com uma aposta clara: as ações dos EUA.

Os gestores não estavam tão sobreponderados em ações dos EUA desde 2013. E este ressalto viu-se numa questão de um mês. Houve uma rotação clara em novembro. Comparativamente ao inquérito do mês passado, a percentagem de sobreponderação subiu 13 pontos base. E a liquidez fortemente acumulada no mês passado foi posta a funcionar.  No FMS de outubro a liquidez foi de 4,7% e em novembro caiu para 4,4%.

EUA, Aposta nas ações americanas: a maior sobreponderação em ações dos EUA desde 2013

O ponto-chave está na macro. Ainda é muito cedo para confirmar, mas parece que o pessimismo atingiu um limite mínimo. As expetativas de crescimento global estabilizaram.  Recorde-se que as perspetivas de crescimento estavam a piorar desde que atingiu o pico em março de 2021. Apenas seis em cada 100 gestores acreditam que haverá uma recessão nos próximos 12 meses.  As previsões de lucros das empresas também melhoram. Mais uma vez, não estamos no auge do otimismo de março, mas a forte temporada de resultados que deixa do terceiro trimestre ajudou.

Implicações para as carteiras: posicionamento atual

O gráfico abaixo resume o que queremos dizer com 2021 termina em modo risk-on Os gestores estão claramente posicionados para o risco. Em termos absolutos, adotaram posições longas em ações. Mas dentro dessa posição, a aposta é em mais ativos cíclicos. Vemos posições longas mercados de ações da zona euro, banca, matérias-primas. Naturalmente, isto é combinado com a tecnologia e o setor da saúde. O pilar que vacila é as obrigações. Tal como tem sido a tendência dos últimos meses, as obrigações estão a deixar as carteiras.  

EUA, Aposta nas ações americanas: a maior sobreponderação em ações dos EUA desde 2013

A macro por detrás das carteiras é clara: posicionamento para a inflação e uma subida das taxas.  Vemos isso com o posicionamento em comparação com a média histórica. Isto mostra a relevância da atual aposta em matérias-primas e a banca. São ativos tradicionalmente beneficiados pela inflação. Em vez disso, estão a subponderar ativos vulneráveis a aumentos de taxas, tais como ações emergentes e obrigações.

EUA, Aposta nas ações americanas: a maior sobreponderação em ações dos EUA desde 2013

Há consenso: a inflação é transitória

É preciso ter em conta que a maioria dos gestores respondeu ao inquérito antes dos dados historicamente elevados da inflação nos Estados Unidos em outubro. Dito isto, o número de profissionais que veem uma inflação transitória aumentou.  Já são apenas 35% os gestores acreditam que será persistente. Na verdade, 51% dos investidores profissionais esperam uma inflação mais baixa. As expetativas de subida do IPC caíram para o nível mais baixo desde março de 2020.

E o que significa para as taxas de juro? Curiosamente, a pressão está a aumentar na Reserva Federal. Agora, a subida média das taxas que esperam para 2022 é de 1,5 vezes. Mas 39% dos gestores vê duas subidas de taxas. E oito em cada 10 acreditam que a Fed terá aumentado as taxas até ao primeiro trimestre de 2023.  A média atual aponta para outubro de 2022.

Dito isto, há que esclarecer que o ciclo de aumentos que se espera não é agressivo. Isto, combinado com a inflação que se espera que relaxe, está a levar a um aplanamento da curva.